Busca avançada
Ano de início
Entree

Recensio e edição de poemas de António da Fonseca Soares/Frei António das Chagas com auxílio das compilações de António Correia Viana (1777-1783)

Processo: 17/09111-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de junho de 2017
Vigência (Término): 31 de março de 2019
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Letras
Pesquisador responsável:Carlos Eduardo Mendes de Moraes
Beneficiário:Dimas Caetano Do Nascimento
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Letras (FCL-ASSIS). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Assis. Assis , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/17138-3 - Recensio e edição de poemas de Antonio da Fonseca Soares / Frei Antonio das Chagas com auxílio das compilações de Antonio Correia Viana (1777-1783), AP.R
Assunto(s):Filologia   Poema   Literatura portuguesa   Manuscritos

Resumo

A obra do poeta português António da Fonseca Soares, cujo nome religioso foi Frei António da Chagas, constitui-se de farta documentação, distribuída em diversos arquivos, bibliotecas e institutos especializados de Portugal. São textos em geral manuscritos, que se apresentam mencionados, colecionados ou atribuídos a um dos dois nomes, marcando momentos definidos de uma obra lírica e circunstancial e de outra sacro-religiosa, composta de poemas, correspondências e expressiva oratória. Existem publicações da vertente religiosa, ao longo desses séculos, ainda que de maneira restrita. A obra secular, entretanto, encontra-se quase integralmente à espera de uma edição. O presente projeto propõe-se a adquirir os documentos manuscritos, compilados por António Correia Viana entre os anos de 1777 e 1783, transcrevê-los e cotejá-los com as composições atribuídas a anônimos na obra Fénix Renascida, pois, analisando-se a publicação on line da Fénix, não se encontra nenhum poema atribuído efetivamente a António da Fonseca Soares ou a Frei António das Chagas, embora dos manuscritos de António Correia Viana conste a informação de que os poemas anônimos sejam de sua autoria. A transcrição e o cotejo com os anônimos da Fénix Renascida deve, portanto, resultar na apresentação de um rol de poemas manuscritos que António Correia Viana compila e que neste projeto deve-se lançar à discussão, dando especial atenção àqueles atribuídos a António da Fonseca Soares, o menos publicado dos nomes. A justificativa do projeto se apoia na importância deste conjunto de manuscritos como fonte de estudos para a poesia lusófona seiscentista, notadamente no que diz respeito à qualificação por gêneros e das repercussões dessas escolhas no âmbito da circulação impressa ou manuscrita no espaço luso-brasileiro. Em outras palavras, o projeto visa a adquirir cópias digitais, transcrevê-las, cotejá-las com o pouco que se publicou (com atribuição a poeta anônimo) e apresentá-las como um conjunto de poemas em forma não-impressa, mas de circulação evidente, problematizando esta "segregação" da obra dos "Antónios" (Fonseca Soares e Frei Chagas), mais incisivamente a do Fonseca Soares, cuja crítica formal e moralista colocou-o na condição de mau exemplo até bem recentemente, quando os trabalhos dos críticos de meados e final do século passado começam a revitalizá-la. A escolha do método de trabalho é decisiva, pois implica na aplicação de critérios que não estão limitados às técnicas de edição segundo os modelos tradicionais. Ampara-se nas proposições de Moreira (2011), que trabalha com a obra de Gregório de Matos e Guerra, cujas características, em diversos momentos, assemelham-se às da forma de produção e circulação da obra dos "Antónios" (Fonseca Soares e Frei Chagas). Os resultados esperados são: 1. Delimitação do corpus referente às poesias compiladas do(s) autor(es) em estudo. 2. Incremento dos estudos sobre o poeta, por meio de projetos que se desenvolvem em nível de graduação e de pós-graduação no âmbito do Grupo de Estudos A Escrita no Brasil Colonial e suas relações. 3. Prosseguimento das ações visando à edição de uma obra completa dos "Antónios" (Fonseca Soares e Frei Chagas). (AU)