Busca avançada
Ano de início
Entree

Nanocompósitos poliméricos usando nanocelulose sem tratamento de superfície a partir da polimerização em emulsão

Processo: 16/18709-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de junho de 2017
Vigência (Término): 31 de agosto de 2018
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Química - Operações Industriais e Equipamentos para Engenharia Química
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Liliane Maria Ferrareso Lona
Beneficiário:Ana Paula Mayumi Nozaki
Instituição-sede: Faculdade de Engenharia Química (FEQ). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Reatores químicos

Resumo

O uso de nanocelulose para a produção de nanocompósitos poliméricos ainda é restrito em função da dificuldade em se dispersar a nanocelulose (altamente hidrofílica) nos monômeros e polímeros, geralmente hidrofóbicos. A grande maioria dos trabalhos em literatura faz a modificação da superfície da celulose para viabilizar sua dispersão, porém, este procedimento é dispendioso em termos de tempo e custo, inviabilizando a produção destes nanocompósitos em escala industrial. Neste projeto de pesquisa será utilizada a polimerização em emulsão para a produção de nanocompósitos poliméricos utilizando como reforço a nanocelulose sem tratamento da superfície. Será utilizado inicialmente como monômero o acetato de vinila, por este apresentar certa solubilidade em água. Além disso, será utilizada uma receita com alta razão água/monômero, no intuito de melhorar a dispersão da nanocelulose não tratada. Espera-se que a nanocelulose fique dispersa na fase aquosa, e que o emulsificante consiga promover uma boa estabilidade água-óleo. Serão feitas caracterizações dos polímeros formados, tanto na forma de látex (microscopias, estabilidade, distribuição de tamanho de partículas) quanto na forma seca (propriedades mecânicas, térmicas e de barreira). Serão definidasas condições de operação que viabilizam este tipo de processo. Um segundo tipo de monômero (metacrilato de metila), com hidrofobicidade ligeiramentemaior do que a do acetato de vinila, também será testado, a fim de verificar a robustez do processo proposto. (AU)

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.