Busca avançada
Ano de início
Entree

Bisfenol-A como poluente emergente: estudo de seus efeitos em modelos de membrana com diferentes composições

Processo: 18/02898-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de abril de 2018
Vigência (Término): 30 de junho de 2019
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Física - Física da Matéria Condensada
Pesquisador responsável:Priscila Alessio Constantino
Beneficiário:Gabriela de Oliveira
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Presidente Prudente. Presidente Prudente , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/14262-7 - Filmes nanoestruturados de materiais de interesse biológico, AP.TEM
Bolsa(s) vinculada(s):18/21006-0 - Detecção eletroquímica de bisfenol-A usando eletrodos de pasta de carbono à base de ftalocianina, BE.EP.IC
Assunto(s):Resinas epoxi   Membranas modelo   Monocamadas de Langmuir   Contaminantes emergentes   Fosfolipídeos   Microscopia de força atômica   Espectroscopia de infravermelho com transformada de Fourier

Resumo

Neste trabalho será realizado um estudo da interação entre os fosfolipídios DPPC (1,2-dipalmitoil-sn-glicero-3-fosfatidilcolina), e DOPC (1,2-dioleoil-sn-glicero-3-fosfocolina) com o poluente emergente Bisfenol A (2,2-bis(4-hidroxifenil) propano) utilizando para isso modelos de membrana biológica. Os fosfolipídios DPPC e DOPC possuem a mesma cabeça hidrofílica, porém, o DOPC possui duas insaturações na cadeia hidrofóbica, sendo o DPPC saturado. O poluente emergente é um interferente endócrino utilizado na produção de resinas epoxi, policarbonatos, espumas e como antioxidante de polímeros, que são utilizados em várias embalagens de alimentos. Para estudar os efeitos do poluente nas membranas miméticas serão utilizados os filmes de Langmuir, sendo a interação deste composto com a monocamada dos fosfolipídios estudada através das isotermas de pressão de superfície por área molecular média e análises de compressibilidade. As monocamadas na ausência e presença do Bisfenol A serão depositadas via técnica LB sobre mica e espelho de ouro para as análises de microscopia de força atômica (AFM) e microespectroscopia de infravermelho com transformada de Fourier, respectivamente. As informações obtidas nos permitirão avançar na elucidação dos efeitos desta substância na saúde humana. É importante ressaltar que este estudo faz parte de um estudo completo do grupo de pesquisa ao qual é inserido, que busca avaliar os efeitos de poluentes emergentes na saúde humana e animal focando tanto em diferentes composições da membrana mimética, como nos possíveis efeitos sinergéticos de misturas de poluentes emergentes da mesma classe (efeito aditivo) ou de diferentes classes (efeito coquetel).