Busca avançada
Ano de início
Entree

Bisfenol-A como poluente emergente: estudo de seus efeitos em modelos de membrana com diferentes composições

Processo: 18/02898-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de abril de 2018
Vigência (Término): 30 de junho de 2019
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Física - Física da Matéria Condensada
Pesquisador responsável:Priscila Alessio Constantino
Beneficiário:Gabriela de Oliveira
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Presidente Prudente. Presidente Prudente , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/14262-7 - Filmes nanoestruturados de materiais de interesse biológico, AP.TEM
Bolsa(s) vinculada(s):18/21006-0 - Detecção eletroquímica de bisfenol-A usando eletrodos de pasta de carbono à base de ftalocianina, BE.EP.IC
Assunto(s):Contaminantes emergentes   Monocamadas de Langmuir

Resumo

Neste trabalho será realizado um estudo da interação entre os fosfolipídios DPPC (1,2-dipalmitoil-sn-glicero-3-fosfatidilcolina), e DOPC (1,2-dioleoil-sn-glicero-3-fosfocolina) com o poluente emergente Bisfenol A (2,2-bis(4-hidroxifenil) propano) utilizando para isso modelos de membrana biológica. Os fosfolipídios DPPC e DOPC possuem a mesma cabeça hidrofílica, porém, o DOPC possui duas insaturações na cadeia hidrofóbica, sendo o DPPC saturado. O poluente emergente é um interferente endócrino utilizado na produção de resinas epoxi, policarbonatos, espumas e como antioxidante de polímeros, que são utilizados em várias embalagens de alimentos. Para estudar os efeitos do poluente nas membranas miméticas serão utilizados os filmes de Langmuir, sendo a interação deste composto com a monocamada dos fosfolipídios estudada através das isotermas de pressão de superfície por área molecular média e análises de compressibilidade. As monocamadas na ausência e presença do Bisfenol A serão depositadas via técnica LB sobre mica e espelho de ouro para as análises de microscopia de força atômica (AFM) e microespectroscopia de infravermelho com transformada de Fourier, respectivamente. As informações obtidas nos permitirão avançar na elucidação dos efeitos desta substância na saúde humana. É importante ressaltar que este estudo faz parte de um estudo completo do grupo de pesquisa ao qual é inserido, que busca avaliar os efeitos de poluentes emergentes na saúde humana e animal focando tanto em diferentes composições da membrana mimética, como nos possíveis efeitos sinergéticos de misturas de poluentes emergentes da mesma classe (efeito aditivo) ou de diferentes classes (efeito coquetel).