Busca avançada
Ano de início
Entree

A influência do dano muscular induzido pelo exercício na responsividade à potencialização pós-ativação: um estudo a partir de saltos com contramovimento

Processo: 18/05671-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2018
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Pesquisador responsável:Leonardo Coelho Rabello de Lima
Beneficiário:Victor Alvino de Souza
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Assunto(s):Fisiologia do exercício   Contração muscular   Lesão muscular   Força muscular   Membros inferiores   Treinamento de força   Salto vertical

Resumo

Sabe-se que músculos com maior incidência de fibras musculares do tipo II são mais responsivos à potencialização pós-ativação (PAP). Porém, esses músculos também parecem ser mais suscetíveis ao dano muscular induzido pelo exercício pliométrico. Considerando que tanto a PAP e o dano muscular induzido pelo exercício são mais comumente observados em fibras musculares do tipo II, o objetivo do presente estudo é avaliar se o dano muscular induzido por contrações pliométricas interfere na capacidade de produção de força e potência dos músculos dos membros inferiores (em especial, extensores do joelho), induzida por um protocolo de pré-condicionamento. Homens ativos, sem experiência recente com treinamento resistido e sem histórico de lesões nos membros inferiores, participarão do estudo. O protocolo de pré-condicionamento será caracterizado por uma série de cinco agachamentos em alta intensidade. Após quatro minutos da série de pré-condicionamento, os participantes realizarão SCM e contrações isométricas máximas em dinamômetro isocinético para identificar os efeitos da PAP. Quinze minutos após o exercício de indução da PAP, os mesmos realizarão um protocolo de indução de dano muscular, que consistirá de repetições de drop-jumps (DJ) com sobrecarga. Dez minutos após o exercício de indução de dano muscular os participantes realizarão novamente os testes de performance descritos acima. As avaliações de pico de torque e altura de SCM (tanto sob o efeito da PAP quanto em condições basais) serão realizadas, também, 24 e 48 horas após a indução do dano muscular. (AU)