Busca avançada
Ano de início
Entree

Preparo profundo do solo em faixas e calagem na cana-de-açúcar: qualidade do solo, emissão de gases de efeito estufa, parâmetros fisiológicos e produtividade

Processo: 18/22362-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de novembro de 2018
Vigência (Término): 31 de outubro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitotecnia
Pesquisador responsável:Carlos Alexandre Costa Crusciol
Beneficiário:Darieli Sabrina Moreto
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:14/20593-9 - Preparo profundo do solo em faixas e calagem na cana-de-açúcar: qualidade do solo, emissão de gases de efeito estufa, parâmetros fisiológicos e produtividade, AP.BIOEN.TEM
Assunto(s):Manejo do solo   Gases do efeito estufa   Mecanização agrícola   Colheita   Calcário   Cana-de-açúcar

Resumo

A intensa mecanização da colheita e do plantio ocorrida no sistema de produção de cana-de-açúcar, advinda da não utilização da sua queima na colheita, submete o solo a uma forte compactação, reduzindo o crescimento radicular, a produtividade e a longevidade do canavial, além de aumentar os riscos de erosão devido à redução da velocidade de infiltração da água. Por estas razões, estão sendo estudados novos sistemas de preparo de solo e de espaçamentos da planta que se tornem mais adequado à mecanização, sendo a sua escolha um fator primordial para altas produtividades, longevidade do canavial e máximo retorno econômico. Com a mecanização e a utilização de sistemas de direcionamento via satélites, onde é possível além do controle de tráfego de máquinas, planejar e realizar o preparo de solo, novos sistemas para a reforma do canavial tem surgido, tais como a sulcação apenas no local do plantio, onde não deverá haver o tráfego de máquinas. As recomendações de calcário em cana-de-açúcar foram desenvolvidas para o sistema de preparo convencional e colheita da cana-de-açúcar após a queima. Porém, com os novos cenários de sistemas de preparo e manutenção da palha sobre o solo, são necessárias pesquisas avaliando a interação entre os sistemas de preparo de solo e a calagem. Raij (2008) analisou diversos resultados de experimentos com calcário em cana-de-açúcar e concluiu que as recomendações oficiais para calagem para o Estado de São Paulo estão subestimadas, reforçando a necessidade de novos estudos. Com a introdução de sistemas de preparo profundo em faixas, têm surgido dúvidas referentes ao local (em área total ou apenas na faixa de preparo), a profundidade (superficial ou em profundidade) e as quantidades a serem aplicadas de calcário. Por isso, avaliações dos atributos do solo, emissões de CO2 do solo e produtividade de colmos e do açúcar produzido, com efeito em longo prazo, necessitam ser realizadas para nortear o melhor modo de preparo do solo, bem como a interação deste com as doses de calcário em cana-de-açúcar. Para isso, foram instalados três experimentos, utilizando-se o espaçamento alternado 1,5 x 0,9 m, sendo um em Latossolo Vermelho com textura argilosa, outro em Neossolo Quartzarênico e outro em Latossolo Vermelho com textura média, utilizando-se o delineamento experimental de blocos casualizados, em esquema de parcelas subdivididas, com quatro repetições. As parcelas serão constituídas por três sistemas de preparo do solo (1 - Preparo Convencional (PC) - padrão/controle, 2 - Preparo Profundo em Faixa com haste Subsoladora e Enxada Rotativa (PPFSER), 3 - PPFSER modificado) e as subparcelas por quatro doses de calcário (0, 1, 2 e 3 vezes a dose recomendada por Spironello et al. 1996, baseado nas amostras de solo das camadas de 0,0-0,20 e 0,20-0,40 m). Serão avaliados os atributos químicos, físicos e biológicos do solo, a capacidade de armazenamento de água no solo, a emissão de gases de efeito estufa, o estoque de Carbono (C) e Nitrogênio (N), a lixiviação de nitrato, o sistema radicular da cana-de-açúcar assim como parâmetros fisiológicos, teores de nutrientes foliares, produtividade de colmos e açúcar e o retorno econômico após cada colheita.