Busca avançada
Ano de início
Entree

Modelagem de cenários futuros para polinização e serviços ecossistêmicos associados diante de mudanças na paisagem e no clima

Processo: 22/07192-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2022
Vigência (Término): 31 de julho de 2024
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia Aplicada
Pesquisador responsável:Danilo Boscolo
Beneficiário:Luara Tourinho de Oliveira Pereira
Instituição-sede: Instituto de Estudos Avançados (IEA). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:20/06694-8 - BIOTA SÍNTESE - Núcleo de Análise e Síntese de Soluções Baseadas na Natureza, AP.BTA.NPOP
Assunto(s):Serviços ambientais   Polinização   Mudança climática   Alteração ambiental   Controle de pragas   Uso do solo   São Paulo

Resumo

A polinização e o controle de pragas são processos ecológicos fundamentais para a produtividade agrícola. Nas últimas décadas, houve um aumento significativo da proporção de áreas cultivadas dedicadas a culturas agrícolas dependentes desses serviços. No entanto, as mudanças de uso do solo nas paisagens naturais e agrícolas estão entre as principais causas de declínio nas comunidades de polinizadores e de reguladores de pragas. Além disso, os impactos das mudanças climáticas podem aumentar os efeitos negativos da homogeneização da paisagem e da perda de habitat, reduzindo as áreas adequadas para a sobrevivência das espécies. A consequente diminuição da produtividade agrícola pode forçar os agricultores a ocupar áreas cada vez maiores, gerando um ciclo de feedback positivo de perda de polinizadores e reguladores de pragas. Este quadro representa um dos principais desafios para a conciliação entre o desenvolvimento sustentável e a conservação dos ecossistemas. Uma possível solução é a promoção de um Manejo Integrado de Pragas e Polinizadores (IPPM), em que se considera a identificação de sinergias e trade-offs entre a produção agrícola para diferentes escalas (i.e. local, regional ou global) e a manutenção da biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos que ela fornece. O entendimento desses fatores permite que os tomadores de decisão gerem diretrizes claras para o planejamento e gerenciamento do uso da terra.A perda de espécies e seus serviços ecossistêmicos é particularmente preocupante em regiões tropicais, onde a maior parte da biodiversidade global está concentrada e onde as espécies são mais vulneráveis às mudanças globais. O Brasil é um país tropical, megadiverso e de extensão continental. Cada domínio fitogeográfico e cidades brasileiras possuem diferentes políticas de proteção à biodiversidade, diferentes previsões de impactos sob as mudanças globais e diferentes tipos de uso da terra. Esse projeto proposto engloba o Estado de São Paulo, que possui uma área de aproximadamente 249 mil km2, sendo o estado de maior densidade demográfica do país. Metade das culturas agrícolas paulistas depende de polinizadores em algum nível, como os cultivos soja, café e laranja, que estão entre os mais rentáveis. O correto manejo dos polinizadores desses cultivos pode representar um incremento na ordem de R$ 5 bilhões no valor da produção anual paulista. Além disso, São Paulo apresenta uma grande variedade de contextos ambientais, que variam de regiões altamente urbanizadas, dominadas por monocultivos extensivos, paisagens em mosaicos (com áreas agrícolas e vegetação nativa) e áreas com alta porcentagem de vegetação nativa, contendo alguns dos maiores remanescentes de Mata Atlântica e Cerrado do Brasil. Desta forma, este estado apresenta um cenário ideal para a investigação do papel das mudanças globais e da manutenção da diversidade de polinizadores e reguladores de pragas e de seus serviços em agroecossistemas. Mais especificamente, este projeto (desafio 1, vaga 2) possui quatro objetivos: (I) mapear a distribuição de espécies de polinizadores e reguladores de praga sob os impactos das mudanças globais, para o presente e; (II) futuro, na extensão do Estado de São Paulo e suas propriedades rurais; (III) estimar a diversidade (riqueza de espécies e diversidade beta) de polinizadores e reguladores de pragas para cada cultura agrícola do Estado de São Paulo, também para ambos os períodos, presente e; (IV) futuro. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)