Busca avançada
Ano de início
Entree

Universitários em uso de antidepressivos: conhecimento a cerca da terapia com esses medicamentos e intervenções de enfermagem para otimizar a segurança, adesão e efetividade do tratamento

Processo: 07/58210-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de março de 2008
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2009
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Enfermagem - Enfermagem Psiquiátrica
Pesquisador responsável:Carlos Renato Tirapelli
Beneficiário:Plinio Tadeu Istilli
Instituição-sede: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Cooperação e adesão ao tratamento   Interações de medicamentos   Efeitos colaterais e reações adversas relacionados a medicamentos   Antidepressivos   Depressão   Estudantes universitários

Resumo

A depressão é um transtorno crônico e recorrente que em sua maioria está associada à incapacitação funcional do paciente acarretando comprometimento da saúde física. A proporção de jovens com depressão tem aumento em todo o mundo. O conhecimento sobre a prevalência da depressão entre jovens tem mostrado que a depressão nessa população não é rara. Estudos demonstram que a freqüência dos quadros depressivos é maior na população estudantil do que na geral. Nesse sentido, os estudantes universitários têm sido alvo de muitos estudos sobre problemas psíquicos. As investigações realizadas com alunos de enfermagem mostram que 55% desses estudantes apresentam elevados níveis de sintomatologia depressiva. Não obstante, um aumento na prescrição de medicamentos para jovens tem ocorrido nos últimos anos, sendo os inibidores seletivos da receptação de serotonina (ISRSs) os medicamentos mais utilizados nesse caso. No entanto, os ISRSs apresentam algumas limitações: 1) seus efeitos terapêuticos começam apenas depois de duas a seis semanas e os efeitos colaterais surgem no início do tratamento; 2) há interação com outros medicamentos. Esses aspectos podem impedir a sua manutenção em alguns pacientes. Assim, a educação do paciente quanto ao uso do medicamento é essencial, tendo o profissional de saúde uma posição de destaque na adesão ao tratamento. O conjunto de dados apresentados mostra que os ISRSs são amplamente utilizados no tratamento da depressão em jovens. Assim, a educação do paciente quanto ao uso do medicamento é essencial, tendo o enfermeiro papel de destaque nessa função. Nesse sentido, a razão do presente estudo é analisar o conhecimento de universitários que usam medicamentos antidepressivos considerando principalmente os seguintes aspectos: o tempo para o início de ação, os potenciais efeitos colaterais e possíveis interações medicamentosas. Além disso, com base nos principais problemas identificados, pretende-se propor ações que devam ser tomadas pelo profissional de enfermagem para que a terapia medicamentosa seja feita de maneira segura e efetiva. (AU)