Busca avançada
Ano de início
Entree


Estudo das células mononucleares e polimorfonucleares no intestino de cães naturalmente infectados por leishmania infantum

Texto completo
Autor(es):
Diogo Tiago da Silva
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Instituição: Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Faculdade de Engenharia (Campus de Ilha Solteira).
Data de defesa:
Membros da banca:
Willian Marinho Dourado Coêlho; Mary Marcondes
Orientador: Wilma Aparecida Starke Buzetti
Resumo

O objetivo deste trabalho foi realizar um estudo descritivo sobre o perfil das células granulocíticas e monocíticas na mucosa intestinal de cães naturalmente infectados por Leishmania infantum, na presença ou na ausência do parasita no intestino. Além disso, realizou-se um estudo de correlação entre a intensidade parasitária e os fatores clínicos do hospedeiro, as células envolvidas e as alterações histopatológicas da parede intestinal. Dos 39 cães avaliados, somente 20 foram utilizados no estudo, sendo, 17 positivos para leishmaniose visceral canina (LVC) e três negativos. Os animais com LVC foram eutanasiados no Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Ilha Solteira, SP, Brasil, e os negativos vieram a óbito natural por motivos diversos. As técnicas de histoquímica e imunoistoquímica foram utilizadas para marcar as células estudadas, identificar as amastigotas de Leishmania e auxiliar nas análises histopatológicas do trato intestinal. Os cães foram divididos em três grupos (G1, G2 e G3). Oito cães positivos para LVC e com amastigotas de L. infantum no intestino foram selecionados para o grupo G1; nove cães positivos para LVC sem amastigotas intestinais para o grupo G2 e, três cães negativos compuseram o grupo controle (G3). Todos os animais não apresentaram coinfecção parasitária gastrintestinal, mediante exames coproparasitológicos realizados in vivo ou pos-morten. As variáveis clínicas dos animais, a intensidade parasitária e a presença das células mononucleares (linfócitos T CD4+, CD8+ e macrófagos) foram avaliadas por uma classificação semiquantitativa baseada em escores que variaram de 1 a 4. Já as células granulocíticas (neutrófilos, eosinófilos e mastócitos) foram quantificadas na mucosa (unidade de vilo e cripta - UVC), submucosa e na muscular. Para as análises de comparação entre os grupos (G1, G2 e G3), o teste de KrusKal-Wallis foi empregado... (AU)

Processo FAPESP: 13/13875-5 - Correlação do perfil das células granulocíticas e monocíticas no intestino de cães naturalmente infectados por Leishmania infantum
Beneficiário:Diogo Tiago da Silva
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado