Busca avançada
Ano de início
Entree


Fungos micorrízicos arbusculares e endofíticos dark septate em áreas de Mata Atlântica em um gradiente altitudinal

Texto completo
Autor(es):
Joice Andrade Bonfim
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: Piracicaba.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz
Data de defesa:
Membros da banca:
Elke Jurandy Bran Nogueira Cardoso; Simone Raposo Cotta; Takashi Muraoka; Adriana Parada Dias da Silveira; Sandra Farto Botelho Trufem
Orientador: Elke Jurandy Bran Nogueira Cardoso
Resumo

Os fungos micorrízicos arbusculares (FMA) têm papel fundamental na absorção de nutrientes, sobrevivência vegetal e na estruturação dos solos. Recentemente uma série de pesquisadores verificou que plantas associadas com FMA também podem se associar com os fungos de micélio escuro (DSE do inglês, dark septate endophytes). Embora de estudo recente, já se observou que os endófitos de micélio escuro igualmente podem promover o crescimento de plantas em diversos ambientes. O objetivo desse trabalho é realizar um levantamento de espécies de FMA e DSE em áreas de Mata Atlântica em um gradiente altitudinal, podendo advir respostas de relevância ecológica maior, como a influência da planta hospedeira, dos parâmetros do solo, da sazonalidade e da altitude sobre a ocorrência e diversidade desses fungos. Espera-se também esclarecer melhor a lacuna existente no conhecimento dos benefícios dos DSE para as plantas e dar o primeiro passo para a compreenção da interação dos FMA com os DSE. Avaliaram-se os atributos químicos, físicos e microbiológicos do solo e, entre estes, a ocorrência e diversidade dos FMA e DSE na raiz e solo rizosférico de diferentes espécies arbóreas da Mata Atlântica do Parque Estadual da Serra do Mar, Estado de São Paulo, Brasil, em um gradiente altitudinal: 80m, 600m e 1000m. As coletas de solo e raízes foram realizadas em quatro estações. Os dados foram submetidos à análise de variância ANOVA, teste LSD, análise canônica discriminante (ACD) e análise de redundância (RDA). Uma vez que muitas espécies de DSE são conhecidas por serem patogênicas sobre certas plantas, os isolados de DSE foram avaliados quanto à sua eventual patogenicidade. Os isolados não patogênicos foram selecionados para um bio-teste, sozinhos ou em combinação com um FMA em plantas de arroz. Foram identificadas no solo rizosférico 58 espécies de FMA e os gêneros Acaulospora e Glomus foram dominantes, enquanto que nas raízes, apenas 14 grupos de FMA foram encontrados e todos apresentaram elevada similaridade com a família Glomeraceae. Foram encontrados 251 isolados de DSE que se agruparam em 35 UTO. A maioria dos isolados de DSE foram patogênicos para as plantas de arroz. A época de amostragem teve efeito sobre a colonização radicular e diversidade dos FMA. A altitude foi importante em selecionar espécies de FMA e também agiu sobre o número de esporos e colonização por DSE e FMA. A maioria dos FMA e DSE ocorreu de forma generalizada nas diferentes espécies hospedeiras, apesar de existirem algumas espécies fúngicas com preferências para certas árvores. Os atributos do solo tiveram forte influência sobre a colonização pelos FMA, enquanto que para os DSE as diferenças na colonização foram pouco infuenciadas pelos parâmetros do solo. No entanto, as propriedades do solo foram responsáveis por dirigir a ocorrência de certas espécies de FMA e DSE. A interação entre FMA e DSE e os seus benefícios para as plantas hospedeiras ainda necessita de maiores estudos principalmente com relação a compreenção das condições fornecidas em experimentos que favoreçam ambas as associações. (AU)

Processo FAPESP: 11/15262-5 - Fungos micorrízicos arbusculares e endófitos de micélio escuro em áreas de Mata Atlântica em um gradiente altitudinal
Beneficiário:Joice Andrade Bonfim
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado