Busca avançada
Ano de início
Entree


Acidose láctica ruminal aguda induzida experimentalmente em ovinos : estudo clínico e laboratorial

Texto completo
Autor(es):
Amanda Festa Sabes
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Instituição: Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias.
Data de defesa:
Membros da banca:
Annelise Carla Camplesi dos Santos; Paulo Ricardo Dell'armelina Rocha
Orientador: Luiz Carlos Marques
Resumo

A ovinocultura de corte está em constante ascensão no Brasil e tal fato leva ao aumento do número de animais confinados, visando maior ganho de peso em curto período de tempo. Tal situação predispõe os ovinos a desordens como acidose láctica ruminal aguda (ALRA) e, consequentemente, laminite aguda, as quais geram problemas econômicos pelos custos do tratamento, menor produtividade do rebanho e descarte de animais. Dez ovelhas adultas foram induzidas à ALRA através da administração oral de sacarose; posteriormente foram avaliadas quando ao exame físico além das análises hemogasométricas arteriais, hematológicas, avaliação da glicose e lactato plasmáticos, proteinograma sérico e zimografia para detecção das metaloproteinases 2 e 9. Todos os animais tiveram sinais clínicos de ALRA, a frequência respiratória permaneceu elevada até às 36 horas, retornando à normalidade com 48 horas. Cinco animais apresentam sinais clínicos característicos de laminite aguda, porém não foi necessária a realização de tratamento clínico. Os valores da contagem de hemácias, volume globular, hemoglobina, leucócitos totais e neutrófilos bastonetes e segmentados elevaram-se nas 24 horas. Os teores de glicose aumentaram até as 8 horas pelo aumento da síntese dos ácidos graxos voláteis e posterior absorção sanguínea; o lactato apresentou aumento até as 24 horas, com posterior diminuição dos valores. A partir de 4 horas ocorreu elevação do pH, bicarbonato e excesso de base. Após 12 horas, os animais apresentaram acidose metabólica. Com 28 horas houve normalização dos parâmetros hemogasimétricos, sem necessidade de tratamento. No proteinograma sérico foram identificadas 13 proteínas: imunoglobulinas A (IgA) e G (IgG), ceruloplasmina (Cp), transferrina (Tf), albumina (Ab), 1-antitripsina ( 1AT), haptoglobina (Hp), 1-glicoproteína ácida ( 1GA), 95 (PPM95), 46 (PPM46), 36 (PPM36) e 31 (PMM31) kDa proteínas de... (AU)

Processo FAPESP: 14/00417-1 - Avaliação hemogasimétrica e da expressão das metaloproteinases 2 e 9 em ovinos com acidose láctica rumenal aguda induzida experimentalmente
Beneficiário:Amanda Festa Sabes
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado