Busca avançada
Ano de início
Entree


Análise in situ da irradiação com laser de Er:YAG no controle da progressão de lesões de erosão e abrasão do esmalte dental

Texto completo
Autor(es):
Renata Siqueira Scatolin
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: Ribeirão Preto.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto
Data de defesa:
Membros da banca:
Silmara Aparecida Milori Corona; Maria Cristina Borsato; Edson Alves de Campos; Aline Evangelista de Souza Gabriel; Paulo Sérgio Quagliatto
Orientador: Silmara Aparecida Milori Corona
Resumo

Este estudo, composto por 2 experimentos in situ, teve como objetivo avaliar o efeito do laser de Er:YAG no controle da progressão de lesões de erosão e abrasão no esmalte dental. Incisivos bovinos foram seccionados (5x3x2,5mm), planificados e polidos. Os fragmentos de esmalte (KHN=330±10%) tiveram parte da superfície coberta com resina composta (área de referência), e posteriormente foram submetidos à formação de lesões erosivas com ácido cítrico 1% (pH = 2,3), 5 minutos, 2x/dia, durante 2 dias. No primeiro experimento, 56 espécimes foram divididos em dois grupos de acordo com o tratamento de superfície: irradiados com laser de Er:YAG (5,2J/cm2, 2Hz, 85mJ, 10s) e não irradiados, e subdivididos de acordo com o tipo de desgaste: erosivos (ácido cítrico) e não erosivos (água deionizada). A realização dos desafios foi realizada através da imersão dos dispositivos em 100mL de ácido cítrico ou água deionizada, 3x/dia, de maneira alternada e independente. O desgaste do esmalte foi determinado por um perfilômetro óptico 3D após: formação inicial da lesão erosiva, tratamento da superfície e fase intraoral. A avaliação de desgaste foi verificada por meio de três leituras de cada área em relação a área de referência. Os dados foram analizados através da análise de variância (ANOVA) e do teste Tukey. No primeiro experimento quando utilizou-se água deionizada (desafios não erosivos) na fase intraoral, os espécimes apresentaram menores valores de desgaste comparados aos grupos que foram erodidos, independentemente de terem sido irradiados ou não com laser de Er:YAG. No entanto, quando erodidos na fase intraoral, o grupo irradiado com laser de Er:YAG não diferiu do grupo não irradiado. O desgaste do esmalte foi avaliado qualitativamente por microscopia eletrônica de varredura em 3 espécimes de cada grupo. No segundo experimento, 48 espécimes foram divididos em dois grupos de acordo com o tratamento de superfície: irradiados com laser de Er:YAG (5,2 J/cm2, 2Hz, 85mJ, 10s) e não irradiados, e subdivididos de acordo com o tipo de desgaste: erosivos (ácido cítrico) e erosivos associado a abrasão (ácido cítrico e escovação). A realização dos desafios, foi realizada através da imersão dos dispositivos em 100mL de ácido cítrico e imersão em ácido cítrico+escovação, de cada um dos lados do dispositivo, 3x/dia. A análises de perfilometria e microscopia eletrônica de varredura foram realizadas como descritas nos procedimentos do primeiro experimento. Os dados obtidos no segundo experimento foram submetidos à análise estatística de forma separada e independente do primeiro experimento, utilizando o teste Kruskal- Wallis e o teste Mann-Whitney. Os resultados deste segundo experimento mostraram que após os desafios erosivos e abrasivos, o grupo que foi irradiado com laser de Er:YAG apresentou menores valores de desgaste quando comparados com o grupo que não foi irradiado. O grupo que sofreu apenas erosão e foi irradiado com laser de Er:YAG não diferiu significativamente quanto aos valores de desgaste do grupo não irradiado. Assim, pode-se concluir que o laser de Er:YAG não controlou o desgaste do esmalte quando submetidos apenas a desafios erosivos, porém, foi capaz de controlar o desgaste do esmalte quando submetidos a processos abrasivos subsequentes. (AU)

Processo FAPESP: 11/23252-0 - Efeito do laser de Er:YAG no controle do desgaste do esmalte dental
Beneficiário:Renata Siqueira Scatolin
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado