Busca avançada
Ano de início
Entree


Análise da conectividade funcional através da caracterização do movimento de Heliconius erato

Texto completo
Autor(es):
Julia de Lima Pinheiro
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: Piracicaba.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz
Data de defesa:
Membros da banca:
Danilo Boscolo; André Victor Lucci Freitas; Karl Stephan Mokross; Marcus Vinícius Vieira
Orientador: Ricardo Ribeiro Rodrigues; Danilo Boscolo
Resumo

A influência antrópica em habitats naturais pode causar perda e fragmentação florestal. Esse processo altera a quantidade de espécies, comprometendo a conservação biológica. Os efeitos da fragmentação dependem, dentre outras características, da conectividade entre os remanescentes. A conectividade funcional depende de como um organismo percebe e responde à estrutura da paisagem. Entender os fatores que determinam a qualidade da matriz para os organismos e entender o movimento animal são etapas essenciais para guiar iniciativas de conservação em paisagens fragmentadas. Como as borboletas são indicadas para o monitoramento ambiental, a partir da caracterização do movimento de indivíduos da espécie de borboletas Heliconius erato, foi possível inferir a respeito da sua capacidade de percepção e analisar a conectividade funcional da paisagem estudada. O estudo foi realizado na porção norte do município de Batatais, no interior do estado de São Paulo. Foi realizada a translocação de 78 indivíduos para a matriz a diferentes distâncias em relação a floresta e observado o seu caminho de retorno para a floresta. A taxa de retorno dos indivíduos translocados ao fragmento em função da distância foi avaliada pela análise de sobrevivência de Cox em conjunto com a razão entre os indivíduos que retornaram pela quantidade total por distância. A tortuosidade dos trajetos foi avaliada através da análise de Passos Aleatórios Correlacionados em conjunto com a razão entre a distância efetiva e a soma dos comprimentos para cada trajetória. Foi realizada uma análise de variância para avaliar se há diferenças de tortuosidade entre as distâncias. Para relacionar esse índice com a distância à floresta foram utilizados modelos lineares generalizados. Esses modelos foram comparados através do AICc. A orientação dos ângulos foi analisada através de estatística circular com teste de Rayleigh, teste-V e histogramas. Conforme aumenta a distância, diminui a quantidade de indivíduos que retornam à floresta. A taxa de retorno cai pela metade na distância de 150m. A partir da análise de Cox notou-se que a distância influencia a taxa de retorno dos indivíduos em conjunto com a tortuosidade e o local de soltura. A hora do dia e o local de soltura explicaram a variação na tortuosidade. A análise dos ângulos demonstrou que a partir de 150m os voos se tornam aleatórios. Dessa forma, para garantir a conservação do gênero Heliconius em paisagens agrícolas que incluem cultivos estruturalmente distintos dos fragmentos florestais é necessário manter uma distância de no máximo 100 metros entre os fragmentos. (AU)

Processo FAPESP: 15/08211-6 - Análise da conectividade funcional através da caracterização do movimento da espécie Heliconius erato
Beneficiário:Julia de Lima Pinheiro
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado