Busca avançada
Ano de início
Entree


Estudo de moléculas regulatórias na esclerose múltipla e na encefalomielite experimental autoimune : Study of regulatory molecules in multiple sclerosis and experimental autoimmune encephalomyelitis

Texto completo
Autor(es):
Adriel dos Santos Moraes
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Instituição: Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Biologia
Data de defesa:
Orientador: Leonilda Maria Barbosa dos Santos
Resumo

Esclerose Múltipla é uma doença crônica e incapacitante do Sistema Nervoso Central, que afeta pessoas com predisposição genética após a influência de fatores que ainda não são totalmente determinados. Atribui-se aos linfócitos T CD4+ um importante papel na patogenia da doença, principalmente pelo fato de que um modelo experimental de Esclerose Múltipla pode ser induzido em animais, após a transferência de células T reativas à mielina. No presente estudo nós demonstramos evidências sobre os efeitos dos imunomoduladores (IFN-beta and GA) sobre a ativação de moléculas regulatórias em pacientes com Esclerose Múltipla. A expressão de HLA-G e mRNA em pDCs, bem como os níveis de HLA-G solúvel no soro de pacientes foram avaliados. Além disso, nós demonstramos que pDCs de pacientes sem tratamento não expressam IDO quando essas células foram estimuladas com o agonista do receptor TLR9 mas os tratamento com imunomoduladores restauram a expressão de IDO aos níveis normais. Em termos de citocinas, observamos uma redução significativa na expressão de TGFß, IL-10, IL-6 e nenhuma expressão de IL-17, quando avaliamos os pacientes tratados com imunomoduladores. De maneira interessante, demonstramos que pacientes tratados com IFN-ß expressam de maneira significativa mais IL-27. Nós também demonstramos que Nanotubos de Carbono de Paredes Múltiplas (MWCNTs) internalizados por células apresentadoras de antígenos, estimulam a produção de IL-27 por essas células e que essa citocina afeta o desenvolvimento de células encefalitogênicas Th17 na Encefalomielite Experimental Autoimune (EAE) A EAE, um modelo experimental da Esclerose Múltipla, é uma doença autoimune mediada por células T CD4+ que pode ser induzida em animais susceptíveis tanto pela imunização com proteínas que compõe a mielina quanto pela proteína básica de mielina (MBP), ou pode ser induzida passivamente por transferência adotiva de linfócitos T CD4+ sensibilizados, em animais sem a doença. Foi determinada a expressão de citocinas pelas células T encefalitogênicas e os resultados revelaram uma redução significante na expressão de IL-17, o que sugere que o desenvolvimento das células Th17 foi prejudicado. Vistos em conjunto, nossos estudos ajudam a compreender o papel de algumas moléculas reguladoras no desenvolvimento da EM e EAE (AU)

Processo FAPESP: 12/09879-2 - Estudo da função imunoreguladora da molécula HLA-G na Esclerose múltipla e na Encefalomielite experimental auto-imune.
Beneficiário:Adriel dos Santos Moraes
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado