Busca avançada
Ano de início
Entree


Desenvolvimento e aplicação da PCR em tempo real quantitativa para os vírus Epstein-Barr e Citomegalovírus em amostras de pacientes com glomerulopatias e transplantados renais pediátricos  

Texto completo
Autor(es):
Lucas Lopes Leon
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Data de defesa:
Orientador: Sandra Helena Alves Bonon
Resumo

Infecções virais estão associadas diretamente a alta morbidade e mortalidade em pacientes imunodeprimidos, principalmente os transplantados e os que fazem uso de drogas imunossupressoras. Pacientes pediátricos, transplantados renais e com glomerulopatias são pacientes que estão predispostos a ocorrência de infecções oportunistas, rejeição aguda e dano ao enxerto por causa do uso de imunossupressores e estas complicações podem ser evitadas com a vigilância constante destas infecções. Nesse cenário, os pacientes acima mencionados encontram-se em alto risco de desenvolvimento de doenças relacionadas à infecção devido a alteração imunológica. O citomegalovírus humano (HCMV) é o patógeno viral mais comum associado a esse grupo de pacientes, embora o vírus Epstein-Barr (EBV) também tenha participação em prognósticos mais complicados. Neste estudo, verificamos a ocorrência da infecção ativa causada pelo EBV e HCMV em pacientes com glomerulopatias e transplantados renais através da carga viral determinada pela técnica da PCR quantitativa (qPCR) padronizada no laboratório. Para isso, utilizamos amostras de urina e plasma de 47 pacientes pediátricos, sendo 37 (79%) com glomerulopatias e 10 (21%) transplantados renais, analisadas durante uma mediana de 266 dias para a detecção dos vírus EBV e HCMV. Utilizamos na análise da detecção do genoma viral nas amostras a técnica da Nested-PCR e para a detecção e determinação da carga viral de ambos os vírus uma qPCR padronizada e otimizada nesse estudo e no total, foram analisadas 623 amostras. Os genes LMP-2A e UL83 para EBV e HCMV foram escolhidos, respectivamente, como as regiões conservadas dos vírus, para desenho dos primers e sonda e padronização da qPCR. O genoma do EBV foi detectado em 17/47 (36,2%) pacientes, sendo 5/47 em pacientes transplantados (10,5%) e 12/47 (25,5%) com glomerulopatias. O HCMV foi detectado em 28/47 (59,6%) pacientes, sendo 7/47 em pacientes transplantados (15%) e 21/47 (45%) com glomerulopatias. Considerando ambas as técnicas, 27 amostras foram positivas para o DNA do EBV e 104 foram positivas para HCMV. Obtivemos um limite de detecção de 83 cópias/mL para o EBV e 91 cópias/mL para HCMV, com uma incidência de 22 amostras para o EBV e 94 amostras para HCMV pela técnica da qPCR. A padronização de um método rápido e confiável de detecção da carga viral é uma tarefa difícil, mas tem grande valor na prevenção da ocorrência de doenças causadas por infecções, principalmente virais (AU)

Processo FAPESP: 16/06596-0 - Análise do impacto da detecção do adenovírus, poliomavírus, HHV 6 e 7 e da detecção quantitativa para EBV e HCMV humano como etiologia infeciosa e causas de morbidades em pacientes com glomerulopatia crônica e transplantados renais pediátricos
Beneficiário:Lucas Lopes Leon
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado