Busca avançada
Ano de início
Entree


Análise silvigênica para caracterização de trecho de floresta alta de restinga e sua relação com o solo

Autor(es):
Andrea Vanini
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Instituição: Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Instituto de Biologia
Data de defesa:
Membros da banca:
Natalia Macedo Ivanauskas; Sergius Gandolfi; Luiza Sumiko Kinoshita; João Luis Ferreira Batista
Orientador: Ricardo Ribeiro Rodrigues
Resumo

Foi realizado o mapeamento de um trecho de floresta de restinga com base em características arquiteturais. A silvigênese, ou seja, o conjunto de processos que definem a construção arquitetural de uma floresta, surge como proposta alternativa para estudos de dinâmica florestal. Através do conceito de silvigênese a variação da arquitetura das árvores nas comunidades ocorre devido à influencia da entrada de luz. Baseado neste conceito os indivíduos foram divididos em três classificações, quanto à sua arquitetura: árvores do futuro, presente e passado. Para efetuar o mapeamento deste mosaico foi utilizado um método de interceptação de linhas. Os objetivos deste trabalho foram: detalhar o mosaico florestal de uma floresta de restinga e suas alterações em um intervalo de dois anos e relacionar a formação das eco-unidades do mosaico silvático com o solo. A primeira parte do estudo foi realizada em um trecho de floresta de restinga de 10,24 ha no Parque Estadual da Ilha do Cardoso - Cananéia - SP, onde o método foi aplicado. Para o estudo das variações das condições abióticas neste trecho de área de floresta de restinga foi utilizada a descrição dos fatores físicos (caracterização climática e edáfica) e. bióticos (levantamento florístico), disponibilizados pelo Projeto Temático "Diversidade, dinâmica e conservação em florestas do Estado de São Paulo: 40 ha de parcelas permanentes" ao qual este estudo esteve vinculado. Na segunda etapa foi amostrado um trecho da área .(6,08ha) para averiguar as alterações do mosaico silvigênico em um intervalo de dois anos. Estes levantamentos resultaram em dois mapas da área de estudo. Os dados obtidos no campo foram georreferenciados com a utilização do programa TNT mips, que promoveu o cruzamento dos mapas de eco-unidades com o mapa do solo e com o mapa da segunda remedição, que ocorreu após dois anos. Esses cruzamentos geraram tabelas de contingência que expressaram as áreas de intersecção entre os mapas e permitiram a realização de testes X2 (qui-quadrado) e posteriores testes de associação, denominados "análise de resíduos ajustados". Foram mapeados 1591 indivíduos, sendo 1272 árvores do presente, 157 do futuro e 162 do passado. Como resultado obteve-se 83% da área formada por eco-unidades em equilíbrio dinâmico, apresentando árvores do presente, 3% de eco-unidades em desenvolvimento, formadas por árvores do futuro, 8% de eco-unidades em degradação, com árvores do passado e 7% de clareiras. Os números de eco .unidades encontradas foram 116 em desenvolvimento, 94 em degradação, e 78 em reorganização, mostrando que a área se encontra em equiHbrio dinâmico. Embora a área de eco-unidade em desenvolvimento seja menor que a área ocupada pela eco-unidade em degradação, o número de eco-unidades é maior, garantindo a manutenção de manchas novas que irão substituir as senescentes. O mapa gerado foi cruzado com o mapa do solo do trecho estudado que continha: espodossolo cárbico, organossolo háplico e neossolo quartzarênico. Foram encontradas associações positivas e negativas, indicando que vários fatores atuam na formação do mosaico na floresta de restinga, incluindo o lençol freático que é superficial durante todo o ano. No segundo mapeamento (6,08ha) foram encontradas as seguintes proporções em relação ao número de indivíduos e áreas: 533 árvores do presente, 33 árvores do futuro e 30 do passado. A altura média do dossel na primeira avaliação foi de 12,5m e na segunda foi de 14,5m. A proporção de área das eco-unidades se manteve próxima, indicando que este trecho continua em equilíbrio dinâmico (AU)

Processo FAPESP: 03/00233-3 - Silvigênese como ferramenta para a caracterização sucessional de trechos florestais e a relação do mosaico silvigênico com fatores abióticos em floresta ombrófila densa baixa montana (Parque Estadual Carlos Botelho) e floresta de restinga (Parque Estadual Ilha do Cardoso)
Beneficiário:Andrea Vanini
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado