Busca avançada
Ano de início
Entree


Caracterização espacial da brucelose bovina no Estado de São Paulo

Texto completo
Autor(es):
Ricardo Augusto Dias
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia
Data de defesa:
Membros da banca:
Fernando Ferreira; Marcos Amaku; José Soares Ferreira Neto; Vitor Salvador Picão Gonçalves; Valéria Stacchini Ferreira Homem
Orientador: Fernando Ferreira
Resumo

O presente trabalho é resultante de uma parceria estabelecida entre o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), a Coordenadoria de Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo (CDA) e o Departamento de Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (VPS-FMVZ-USP). O Estado de São Paulo foi estratificado em sete circuitos produtores de bovinos e 150 rebanhos com atividade reprodutiva foram aleatóriamente selecionados em cada um deles. Em cada rebanho foi aplicado um questionário epidemiológico, foram aletoriamente coletadas amostras de soro de 10 ou 15 fêmeas com idade maior ou igual a 24 meses (em rebanhos com < 100 fêmeas, e rebanhos &ge; 100 fêmeas, respectivamente) e as coordenadas geográficas foram obtidas com um aparelho GPS. Os soros foram submetidos a um protocolo de testes em série, tendo o Rosa Bengala como método de triagem e a fixação de complemento como método confirmatório. A prevalência estimada de rebanhos com, ao menos, um animal soropositivo foi de 9,7% [7,8%; 11,6%], enquanto que a prevalência estimada de animais soropositivos foi 3,8% [0,7%; 6,9%], no Estado de São Paulo. Foi elaborado um mapa temático georreferenciado do Estado de São Paulo, no qual evidenciou-se a ausência de agrupamentos espaciais de rebanhos infectados. A análise também procurou medir o grau de associação das características de criação com a presença da doença, sendo que propriedades com 87 ou mais bovinos (OR = 2,25) e compra de reprodutores (OR = 1,56) foram as mais associadas. O modelo matemático proposto nesse trabalho mostrou que deverá ser intensificado o esforço para a vacinação de fêmeas e que, mesmo assim, os benefícios advindos da adoção desta medida, em termos de queda da prevalência da doença e diminuição do número de abortos, só se darão em prazos que podem alcançar décadas. (AU)

Processo FAPESP: 01/11090-3 - Caracterização espacial da brucelose bovina no estado de São Paulo
Beneficiário:Ricardo Augusto Dias
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado