Busca avançada
Ano de início
Entree


Exigências e eficiência energética e protéica de ovinos Dorper x Santa Inês alimentados com dietas contendo volumosos de valor nutricional distinto.

Texto completo
Autor(es):
Diego Barcelos Galvani
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: Piracicaba.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALA/BC)
Data de defesa:
Membros da banca:
Alexandre Vaz Pires; Guilherme Fernando Alleoni; Carla Maris Machado Bittar; Luiz Gustavo Ribeiro Pereira; Cleber Cassol Pires
Orientador: Alexandre Vaz Pires
Resumo

O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito do uso de volumosos com valor nutricional distinto sobre as exigências e a eficiência de uso da energia e da proteína por ovinos ½ Dorper × ½ Santa Inês, em crescimento. Para isso, 84 cordeiros, machos não castrados, foram desmamados aos 56 dias de idade (PV inicial = 18,0 ± 3,3 kg) e confinados em baias individuais, sendo distribuídos em dois grupos: VBVN cordeiros alimentados com dieta composta por volumoso de baixo valor nutricional (bagaço de cana in natura); e VAVN cordeiros alimentados com dieta composta por volumoso de alto valor nutricional (feno de coastcross). Destes, sete animais de cada grupo foram aleatoriamente selecionados e abatidos após um período de adaptação de 10 dias (animais referência). Dentre os remanescentes, 21 animais de cada grupo foram alimentados ad libitum e abatidos aos 25, 35 ou 45 kg de peso vivo (sete animais por grupo) sendo, os 28 demais animais, submetidos a dois níveis de restrição alimentar, de forma a obterem-se diferentes níveis de consumo de energia metabolizável (EM): 70 e 50% do consumo ad libitum. Foram determinadas as concentrações e as retenções corporais de gordura, nitrogênio e energia. Adicionalmente, seis animais ½ Dorper × ½ Santa Inês (PV médio = 52,3 ± 6,9 kg), machos não castrados canulados no rúmen, foram mantidos em gaiolas de estudo de metabolismo para avaliação da digestibilidade das dietas e estimativa das concentrações dietéticas de EM e do consumo de proteína metabolizável. A degradabilidade das dietas experimentais foi avaliada in vitro. O consumo de matéria seca e o ganho de peso médio diário foram mais elevados para os animais alimentados com a dieta contendo feno de coastcross. Por outro lado, melhor eficiência alimentar foi observada para aqueles alimentados com a dieta contendo bagaço de cana. Não houve efeito do nível de consumo sobre o teor de energia metabolizável da dieta, mas este foi maior na dieta contendo bagaço de cana in natura (3,18 vs 2,94). Os animais recebendo a dieta contendo bagaço de cana apresentaram maiores concentrações corporais de gordura e energia, o que foi reflexo de um maior acúmulo de gordura visceral. O uso de volumosos de baixo valor nutricional, em dietas com alta concentração energética, não resulta em incremento das exigências energéticas de mantença. No entanto, a elevação do teor de concentrado da ração resulta em aumento da eficiência de uso da energia metabolizável para ganho de peso, o que está diretamente associado à maior retenção de gordura visceral. Sob o ponto de vista da produção de carne, todavia, esta maior eficiência nutricional deve ser vista com cautela, uma vez que está relacionada à deposição de tecidos não destinados ao consumo humano. As exigências protéicas para ganho de peso de cordeiros ½ Dorper × ½ Santa Inês podem ser acuradamente preditas pelas equações do AFRC (1993). Nenhum dos sistemas nutricionais atuais, contudo, é capaz de predizer as exigências energéticas destes animais entre os 15 e 45 kg de peso corporal. (AU)