Busca avançada
Ano de início
Entree


Relações entre eficiência alimentar, características de carcaça e qualidade de carne de novilhos Nelore confinados

Texto completo
Autor(es):
Andréa Roberto Duarte Lopes Souza
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: Piracicaba.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz
Data de defesa:
Membros da banca:
Dante Pazzanese Duarte Lanna; Jose Bento Sterman Ferraz; Sérgio Raposo de Medeiros; Gerson Barreto Mourão; Antonio do Nascimento Rosa
Orientador: Dante Pazzanese Duarte Lanna
Resumo

Embora possua o maior rebanho comercial do mundo, o Brasil está longe de liderar pesquisas relacionadas ao melhoramento genético de bovinos de corte para eficiência alimentar. Alguns países investiram em estudos para seleção de animais eficientes e identificação de marcadores moleculares associados a esta característica. A seleção genética de animais eficientes representaria economia de alimentos, reduziria o impacto ambiental e aumentaria a rentabilidade da atividade. Obviamente é um desafio identificar animais mais eficientes em um rebanho de 205 milhões de cabeças, pois, além da mensuração ser cara, os resultados são obtidos a longo prazo. As associações entre eficiência alimentar e desempenho de bovinos de corte são conhecidas, porém avaliações envolvendo os impactos da seleção para eficiência sobre composição corporal e qualidade de carne de novilhos Nelore ainda são incipientes. O objetivo neste trabalho foi estudar relações entre eficiência alimentar, composição corporal, características de carcaça e qualidade da carne em bovinos Nelore confinados. Foram confinados, em dois anos, 322 novilhos para avaliação de características de carcaça e qualidade de carne. Deste total, 159 foram confinados em baias individuais, dos quais 92 foram avaliados quanto ao consumo alimentar residual (CAR). Foram calculadas a eficiência alimentar, eficiência parcial de crescimento, taxa relativa de crescimento, índice de Kleiber e CAR. No abate foram obtidos dados de rendimento, comprimento e profundidade de carcaça, área de olho de lombo, espessura de gordura subcutânea, peso do coração, fígado, rins e gordura interna. Foram obtidas variáveis de qualidade da carne de amostras não maturadas do Longissimus dorsi (pH, força de cisalhamento, cor da carne e gordura, perdas por cocção, capacidade de retenção de água e extrato etéreo). Foram analisados os coeficientes de regressão linear entre as variáveis avaliadas e o CAR. Animais mais eficientes apresentaram consumo no mínimo 12% menor que os ineficientes (P <0,05). A variação do CAR em 1 kg MS/dia melhorou a eficiência alimentar em 7% para o mesmo ganho de peso. Houve relação positiva entre CAR e espessura de gordura subcutânea (P <0,05). Características de carcaça, peso do coração e do fígado, gordura interna e parâmetros de qualidade da carne não foram relacionados com CAR (P>0,05). No entanto, a diminuição do CAR reduziu a deposição de gordura subcutânea, avaliada por ultrassom (P<0,05). Consistente com essa redução, o conteúdo de gordura intramuscular diminuiu (P = 0,08), indicando uma relação positiva entre CAR e deposição de gordura. A energia retida, estimada pela composição corporal, foi reduzida em 0,4 Mcal / dia. Isto significa que mudanças na composição corporal foram capazes de explicar 36% das diferenças no consumo de alimentos entre animais eficientes e ineficientes quanto ao CAR. A margem de contribuição (lucro) foi positivamente relacionada ao CAR (P<0,05), mas foi muito melhor correlacionada com a eficiência alimentar e ganho de peso. A associação de CAR com rentabilidade foi tão boa quanto medição de área de olho de lombo. O CAR está associado com a composição do ganho dos animais e pouco correlacionado com a lucratividade em confinamento. Animais eficientes quanto ao CAR apresentaram redução na deposição de gordura subcutânea. (AU)

Processo FAPESP: 09/02328-8 - Consumo alimentar residual como índice de eficiência alimentar e qualidade de carne de novilhos Nelore
Beneficiário:Andréa Roberto Duarte Lopes Souza
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado