Busca avançada
Ano de início
Entree


Caracterização funcional de cepas de T. gondii.

Texto completo
Autor(es):
Natalia Nepomuceno de Oliveira
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Ciências Biomédicas
Data de defesa:
Membros da banca:
Luiz Vicente Rizzo; Hiro Goto; Jose Maria Alvarez Mosig
Orientador: Luiz Vicente Rizzo
Resumo

Mais de 2 bilhões de pessoas em todo o mundo encontram-se infectadas com Toxoplasma gondii. Na região endêmica de Erechim, RS, cerca de 90% da população é soropositiva e cerca de 18% destes indivíduos apresentam lesões oculares com manifestações clínicas. A estrutura genética das populações do T. gondii tem sido bastante investigada, a despeito da infecção ter se espalhado pelo mundo, do grande número de hospedeiros intermediários e da capacidade do parasita de se reproduzir sexualmente. Linhagens de T. gondii com atípica ou nova combinação de alelos têm sido isoladas de animais não domésticos ou em outros continentes, como América do Sul e África, e de pacientes com apresentações clínicas incomuns. Em modelos murinos, as linhagens com o genótipo tipo I são altamente virulentas, em contraste às cepas tipo II e tipo III que são menos virulentas. Este trabalho propõe a caracterização fenotípica da resposta imune do hospedeiro frente a infecção por diferentes cepas de T. gondii, bem como o isolamento e a caracterização genotípica das linhagens de T. gondii que infectam indivíduos de Erechim no Rio Grande do Sul. Para a caracterização fenotípica utilizamos duas cepas de T. gondii já bem estabelecidas, a cepa RH (tipo I) e a ME49 (tipo II), e uma cepa isolada a partir de gatos domésticos do Brasil, chamada TgCatBr71. Sendo assim, através da fenotipagem das células dendríticas de camundongos C57Bl/6 infectados com as cepas citadas, foi possível observar que essas cepas induzem expressão das moléculas de superfície CD40, CD80, CD86 e MHC classe II em DCs CD11c+, porém sem significativa diferença entre as cepas. Com relação as células CD4+ e células CD8+, observamos o aumento das células CD8+ no decorrer da infecção pelas cepas RH e ME49, indicando a importância deste tipo celular na resposta protetora contra T. gondii. Avaliamos também a produção de citocinas IL-12, IFN-g e IL-10 em células esplênicas de camundongos infectados pelas três cepas no decorrer da infecção e detectamos que camundongos infectados pela cepa tipo II (ME49) apresentam síntese maior dessas citocinas do que camundongos infectados pela cepa tipo I (RH) e pela cepa TgCatBr71. Assim, concluímos que esta cepa TgCatBr71 se assemelha bastante a cepa do tipo I (RH), tanto em relação a evolução da doença no camundongos como nos padrões da resposta imune do hospedeiro. E que apesar dessas duas cepas diferirem da cepa tipo II (ME49), resultando em graus diferentes de patologia em camundongos C57Bl/6, todas a três cepas parecem produzir semelhante resposta imune protetora do hospedeiro. (AU)

Processo FAPESP: 06/53772-7 - Caracterizacao funcional de cepas de t. gondii.
Beneficiário:Natalia Nepomuceno de Oliveira
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado