Busca avançada
Ano de início
Entree


Fim do ethos antigo e ocaso das ilusões: Giacomo Leopardi e a modernidade

Texto completo
Autor(es):
Fábio Rocha Teixeira
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Data de defesa:
Membros da banca:
Olgaria Chain Feres Matos; Jacira de Freitas; José Expedito Passos Lima; Marco Americo Lucchesi; Maria das Gracas de Souza
Orientador: Olgaria Chain Feres Matos
Resumo

Esta Tese tem como tema a problemática do fim do antigo ethos e o ocaso das ilusões no mundo moderno com base na reflexão de Giacomo Leopardi (1798-1837) sobre os seus efeitos nefastos. Tal reflexão considera também a problemática da barbárie moderna e pressupõe, igualmente, as formas anteriores da barbárie: a primitiva e a medieval. Na presente investigação não se retorna à questão da ideia de uma filosofia leopardiana ou de uma proposta de sistema no seu interior, pois não se trata, quer da antiga querela de um Leopardi poeta ou filósofo quer de uma exposição pormenorizada acerca de uma filosofia em Leopardi. Nesta investigação adotam-se as seguintes hipóteses interpretativas: i) o Discorso sopra lo stato presente dei costumi deglitaliani, escrito em 1824, contribui para uma compreensão da análise leopardiana acerca do processo de modernização europeia; ii) o Discorso pressupõe uma nova mudança no desenvolvimento da obra leopardiana, da nova crise ocorrida no seu pensamento em 1824, seguida da nova concepção de natureza, não mais aquela amorosa, mas uma natura matrigna, responsável por todos os males e a infelicidade humana; iii) Leopardi aborda elementos fundamentais das mudanças ocorridas no ethos após o processo de modernização europeu com base em um diagnóstico da situação econômica, social, cultural e política italiana; iv) no seu diagnóstico sobre a modernização, ele indica um novo princípio de conservação da vida civil; v) a experiência da modernização, por causa da nova forma de racionalidade e de espiritualização das coisas e do homem, põe em risco a vitalidade humana e conduz a uma nova barbárie: barbárie da sociedade. Ao investigar a experiência filosófica italiana dos séculos XVIII e XIX, Leopardi destaca os rumos tomados pela racionalidade e os riscos identificados por ele de uma barbárie dos novos tempos. Ele denomina o século XIX como século de morte em virtude do desaparecimento da dimensão poética e das ilusões, tão necessárias à conservação da existência humana. Trata-se de uma critica aos novos fenômenos de banalização da vida no mundo moderno e de suas degenerescências: ruína das ilusões, vacuidade dos valores e risco da barbárie da sociedade. (AU)

Processo FAPESP: 07/58945-0 - Viço e Leopoardi: o alerta moderno contra a barbárie
Beneficiário:Fábio Rocha Teixeira
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado