Busca avançada
Ano de início
Entree

Saulo Ribeiro de Freitas

CV Lattes ORCID


Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (Brasil). Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)  (Instituição Sede da última proposta de pesquisa)
País de origem: Brasil

É físico com graduação pela Universidade Federal de Goiás (1987), mestrado pela Universidade Federal de Pernambuco (1991) e doutorado pela Universidade de São Paulo (1999). Atualmente é Pesquisador Titular, Professor da Pós-Graduação em Meteorologia e Chefe da Divisão de Modelagem Numérica do Sistema Terrestre do INPE. Foi Pesquisador Senior da NASA Goddard Space Flight Center (EUA) entre 2016-2021 e Pesquisador 1D do CNPq entre 2006 e 2016. Realizou Pós-Doutoramento na NASA Ames Research Center (EUA, 2000/2001), participou do programa Jovem Pesquisador da FAPESP entre 2001 e 2003 e foi Pesquisador Visitante no Earth System Laboratory Research (NOAA/EUA) entre 2014 e 2015. Trabalhou como pesquisador visitante do Met Office/Reino Unido, do Laboratoire de Physique et Chimie de l'Environnement /CNRS/França, da Satellite Services Division da U.S. National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA/EUA, Maryland) e no Arctic Region Supercomputing Center (Alasca, EUA). Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em química, nuvens e dinâmica da atmosfera e modelagem numérica. Atua principalmente nos seguintes temas: poluição do ar e química atmosférica, parametrização de convecção e de superfície, dinâmica, queimadas e seus impactos em mudanças do tempo, clima e saúde pública, previsão numérica de tempo integrada com química e aerossóis atmosféricos. É um dos principais desenvolvedores do sistema de modelagem regional BRAMS (brams.cptec.inpe.br). Coordenou o desenvolvimento dos sistemas operacionais de previsão de qualidade do ar e de previsão de tempo em escala quase-convectiva (resolução espacial de 5km) no CPTEC/INPE. É autor ou co-autor de 134 artigos em revistas indexadas com corpo de revisores. De Jan/2011 a Jan/2016 foi membro do 'Working Group on Numerical Experiments' (WGNE) do World Climate Research Program e WMO Commision for Atmospheric Science. Atuou como Chefe da Divisão de Modelagem e Desenvolvimento do CPTEC/INPE de 2010 a 2014. (Fonte: Currículo Lattes)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o(a) pesquisador(a)
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)
Auxílios à pesquisa
Bolsas no país
Bolsas no Exterior
Apoio FAPESP em números * Quantidades atualizadas em 28/01/2023
Colaboradores mais frequentes em auxílios e bolsas FAPESP
Contate o Pesquisador

Este canal da BV/FAPESP deve ser utilizado tão somente para mensagens, referentes aos projetos científicos financiados pela FAPESP.


 

 

 

 

Palavras-chave utilizadas pelo pesquisador
Videos relacionados aos auxílios à pesquisa e bolsas

Sistema faz previsões simultâneas de tempo e qualidade do ar na América do Sul


Publicado em 28 de março de 2016 - Agência FAPESP - Sistema faz previsões simultâneas de tempo e qualidade do ar na América do Sul. O Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em Cachoeira Paulista, no interior de São Paulo, lançou nova versão do modelo regional de previsão de tempo e estudos climáticos BRAMS. Desenvolvido com apoio da FAPESP, por meio de projetos coordenados pelo pesquisador Saulo Ribeiro de Freitas, do Inpe, a nova versão do software meteorológico – denominado BRAMS 5.2 – unificou os modelos para previsão de tempo e de qualidade do ar usados atualmente pelo CPTEC. A nova versão do sistema fornece previsões meteorológicas e de qualidade do ar (com base nas concentrações de monóxido de carbono, ozônio e aerossóis atmosféricos) da América do Sul com resolução de 20 quilômetros (km) e com antecedência de 3,5 dias. Já a previsão do tempo “pura” – sem incluir os aspectos químicos – tem resolução de 5 km. O modelo brasileiro é usado hoje por pesquisadores tanto do Brasil como de outros centros de pesquisa de clima na França, Portugal, Estados Unidos, Argentina, Colômbia e Peru, entre outros, em razão do papel desempenhado pela Amazônia no clima global.

Por favor, reporte erros na informação da página do pesquisador escrevendo para: cdi@fapesp.br.
X

Reporte um problema na página


Detalhes do problema: