Busca avançada
Ano de início
Entree

Alessandra Tomaselli Fidelis

CV Lattes ORCID


Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Instituto de Biociências (IB)  (Instituição Sede da última proposta de pesquisa)
País de origem: Brasil

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade de São Paulo (1999), mestrado e doutorado em Ecologia pela Technische Universität München (2004, 2008) e livre-docência pela Universidade Estadual Paulista (2019). Atualmente é professora associada da Universidade Estadual Paulista. É vice-presidente da International Association for Vegetation Science. Tem experiência na área de Ecologia, com ênfase em ecologia de comunidades vegetais e ecossistemas, atuando principalmente nos seguintes temas: ecologia do fogo, distúrbio, ecologia de comunidades campestres e savânicas, dinâmica de biomassa e carbono aéreo e subterrâneo. Defensora da conservação da vegetação campestre e savânica. (Fonte: Currículo Lattes)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o(a) pesquisador(a)
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)
Auxílios à pesquisa
Bolsas no país
Bolsas no Exterior
Apoio FAPESP em números * Quantidades atualizadas em 06/07/2024
Colaboradores mais frequentes em auxílios e bolsas FAPESP
Contate o Pesquisador

Serviço temporariamente indisponível

Palavras-chave utilizadas pelo pesquisador
Videos relacionados aos auxílios à pesquisa e bolsas

O Cerrado brasileiro constitui a savana mais biodiversa do mundo e está desaparecendo a cada dia


Publicado em 16 de agosto de 2022 - Agência FAPESP. As formações campestres e savânicas se espalham por 27% do território brasileiro e predominam em quatro dos seis biomas existentes no país: o Cerrado, a Caatinga, o Pampa, o Pantanal, a Mata Atlântica e a Amazônia. 77,2% da matriz elétrica brasileira é suprida pela hidroeletricidade e a degradação do Cerrado põe em risco esse recurso energético e ameaça a oferta de água doce para o consumo da população e atividades agrícolas. Em edição especial da revista Science, alguns dos principais pesquisadores do tema argumentam que a recuperação das áreas degradadas requer soluções mais complexas, e que considerem as especificidades do bioma. Entrevista com a ecóloga Alessandra Fidelis, professora da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e coatora do artigo.

Por favor, reporte erros na informação da página do pesquisador utilizando este formulário.
X

Reporte um problema na página


Detalhes do problema: