Busca avançada
Ano de início
Entree

Ricardo Ivan Ferreira da Trindade

CV Lattes ORCID


Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG)  (Instituição-sede da última proposta de pesquisa)
País de origem: Brasil

Concluiu a graduação em Geologia na UFRN em 1995, doutorado em Geofísica na USP em 1999, Livre-Docência na USP em 2006 e atualmente é Professor Titular do Departamento de Geofísica da USP. Efetuou dois pós-doutorados, em Toulouse e Paris VII (França) em 2000 e 2004. Foi professor visitante da Universidade de Toulouse em 2001, 2007 e 2014 e da Universidade de Paris em 2008, 2011, 2018 e 2019. Desenvolve pesquisas em magnetismo de rochas, anisotropia magnética, paleomagnetismo e arqueomagnetismo, com o objetivo de compreender períodos críticos da história da Terra, como a transição Precambriano-Cambriano, crises ambientais do Fanerozóico e as variações recentes do campo magnético terrestre. Suas pesquisas tem sido financiadas por diferentes agências nacionais e internacionais (FAPESP, CNPq, CNRS francês e NSF) e pela Petrobrás. Foi membro dos Comitês Assessores de CAPES e FAPESP e é membro do Comitê Assessor do CNPq. É membro Titular da Academia Brasileira de Ciências. (Fonte: Currículo Lattes)

Auxílios à pesquisa
Bolsas no país
Bolsas no Exterior
Apoio FAPESP em números * Quantidades atualizadas em 19/11/2022
Colaboradores mais frequentes em auxílios e bolsas FAPESP
Contate o Pesquisador

Este canal da BV/FAPESP deve ser utilizado tão somente para mensagens, referentes aos projetos científicos financiados pela FAPESP.


 

 

 

 

Palavras-chave utilizadas pelo pesquisador
Videos relacionados aos auxílios à pesquisa e bolsas

SP Pesquisa - Grandes Extinções - 2º Bloco


Publicado em 23 de maio de 2015 - SP Pesquisa - Grandes Extinções - 2º Bloco. A vida existe na Terra há cerca de 4 bilhões de anos. Mas, de tempos em tempos, um grande cataclismo acontece e quase todas as espécies são extintas. Os cientistas conhecem seis grandes episódios desse tipo no passado terrestre, e o mais agressivo deles - ocorrido 250 milhões de anos atrás - pode ter começado na região de Araguainha, em Mato Grosso. A descoberta, que ainda precisa de mais evidências científicas para ser ratificada, foi feita por um grupo internacional de pesquisadores, com marcante participação brasileira (financiada pela FAPESP). A equipe do SP Pesquisa conversou com os pesquisadores envolvidos na pesquisa. Também é tema do programa a mais recente grande perda de espécies acontecida no continente americano: a da megafauna terrestre. Criaturas como tigres dente-de-sabre, mamutes, preguiças-gigantes e tatus-gigantes existiam até bem pouco tempo atrás, mas sumiram de 15 mil anos para cá. O que aconteceu? Especula-se que o homem, recém-chegado ao continente americano, pode ter tido um papel nisso. O SP Pesquisa acompanha a investigação nas tocas de algumas dessas criaturas gigantes.

Por favor, reporte erros na informação da página do pesquisador escrevendo para: cdi@fapesp.br.
X

Reporte um problema na página


Detalhes do problema: