Busca avançada
Ano de início
Entree
(Referência obtida automaticamente do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores.)

Disparidades étnico-raciais em saúde autoavaliada: análise multinível de 2.697 indivíduos residentes em 145 municípios brasileiros

Texto completo
Autor(es):
Alexandre Dias Porto Chiavegatto Filho ; Ruy Laurenti
Número total de Autores: 2
Tipo de documento: Artigo Científico
Fonte: Cadernos de Saúde Pública; v. 29, n. 8, p. 1572-1582, Ago. 2013.
Resumo

Revisões recentes da literatura indicam que o número de estudos sobre disparidades étnicoraciais no Brasil é escasso. A análise multinível torna-se necessária já que o conceito de raça/cor é socialmente construído e pode variar segundo local de residência. Foram analisados 2.697 indivíduos residentes em 145 municípios brasileiros, segundo raça (branca, preta e parda). Foram ajustados modelos multinível utilizando inferência bayesiana pelo método Monte Carlo via Cadeias de Markov. Após a inclusão de variáveis demográficas, socioeconômicas e de acesso a serviços de saúde, indivíduos de raça preta e parda tiveram maior razão de chances de avaliarem sua saúde como negativa (RC = 1,71; IC95%: 1,24; 2,37 e RC = 1,37; IC95%: 1,10; 1,71, respectivamente). Características do local de residência não alteraram significativamente a relação entre raça/cor e saúde autoavaliada. Após a recategorização da variável dependente, as características étnico-raciais perderam significância estatística. O presente estudo indica que as disparidades raciais em saúde podem ser mais complexas do que o esperado. (AU)

Processo FAPESP: 12/09717-2 - Desigualdade de renda e saúde dos idosos: análise longitudinal multinível de uma amostra do Município de São Paulo
Beneficiário:Alexandre Dias Porto Chiavegatto Filho
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado