Busca avançada
Ano de início
Entree

Evidência de relação negativa entre fertilidade de fêmea e eficiência alimentar em bovinos Nelore

Processo: 18/20717-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de novembro de 2018 - 30 de abril de 2019
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Zootecnia - Genética e Melhoramento dos Animais Domésticos
Pesquisador responsável:Maria Eugênia Zerlotti Mercadante
Beneficiário:Maria Eugênia Zerlotti Mercadante
Instituição-sede: Instituto de Zootecnia. Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). Nova Odessa , SP, Brasil
Assunto(s):Bovinos de corte  Consumo alimentar residual  Correlação genética 

Resumo

Este estudo foi conduzido com o objetivo de avaliar as relações fenotípicas e genéticas entre características de fertilidade e eficiência alimentar em machos e fêmeas da raça Nelore. Para a avaliação fenotípica foram utilizados dados referentes a 320 fêmeas, nascidas de 2004 a 2011, que foram avaliadas para consumo alimentar residual (CAR) pós-desmame (idade inicial no teste 308 ± 45 dias), e classificadas em CAR negativo (CAR<0, média = -0,294 ± 0,017 kg de DM/d) ou CAR positivo (CAR>0, média = 0,305 ±0,0189 kg de DM/d). Do total de fêmeas, 118 novilhas pré-púberes foram submetidas à análise ultrassonográfica de útero e ovários para acompanhamento de presença (ou não) de corpo lúteo e dimensionamento da espessura do endométrio. Posteriormente, no total de fêmeas foram avaliadas as características idade ao primeiro parto, dias ao parto, primeiro intervalo de partos, sucesso ao parto, stayability e permanência no rebanho. Os componentes de variância foram estimados por Average Information Restricted Maximum Likelihood method under an animal model (five-trait analyses) das espessuras de gordura subcutânea no lombo e na garupa, perímetro escrotal, dias ao parto e CAR. O número total de animais com registros foi 6718, dos quais 927 machos tinham registros de perímetro escrotal e CAR, e 264 fêmeas tinham registros de dias ao parto e CAR. Fêmeas CAR negativo apresentaram consumo de matéria seca diário 12,5% menor que as fêmeas CAR positivo e também menor espessura de gordura subcutânea na garupa, quando avaliadas no período pós-desmama. Dentre as características de fertilidade avaliadas nas fêmeas, somente o primeiro intervalo de partos diferiu (P=0,0858) entre as classes de CAR, sendo que fêmeas CAR negativo apresentaram intervalo 45 dias menor que fêmeas CAR positivo. As estimativas de herdabilidade foram 0,29, 0,34, 0,50, 0,12 e 0,16 para as espessuras de gordura subcutânea no lombo e na garupa, perímetro escrotal, dias ao parto e CAR. As correlações genéticas entre CAR e as demais características estudadas foram de sentido desfavorável à seleção, sendo de moderada magnitude com as espessuras de gordura subcutânea no lombo e na garupa e dias ao parto (0,53, 0,37 e -0,49, respectivamente) e próxima de zero com perímetro escrotal (0,07). Perímetro escrotal (0,17 e 0,15) e dias ao parto (-0.10 e -0.22) foram fracamente e favoravelmente correlacionados com gordura subcutânea no lombo e na garupa. Todas as correlações fenotípicas foram menores que 0,10, com exceção da correlação entre as espessuras de gordura (0,60) e entre essas e perímetro escrotal (0,22 e 0,27). Há evidência de moderado antagonismo genético entre fertilidade de fêmeas e eficiência alimentar, sem evidência de correlação genética entre fertilidade de machos e eficiência alimentar. Há também evidência de baixa sinergia genética entre espessura de gordura e fertilidade. (AU)