Busca avançada
Ano de início
Entree

Alta prevalência de Klebsiella pneumoniae multidroga resistentes carreando vários genes codificantes de beta lactamases e de virulência em uma unidade de terapia intensiva brasileira

Processo: 18/26100-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de março de 2019 - 31 de agosto de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Pesquisador responsável:Maria Cristina da Silva Pranchevicius
Beneficiário:Maria Cristina da Silva Pranchevicius
Instituição-sede: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Klebsiella pneumoniae 

Resumo

Klebsiella pneumoniae é um importante patógeno oportunista que comumente causa infecções nosocomiais e contribuem para substancialmente para morbidade e mortalidade. Nós buscamos investigar o perfil de resistência a antibióticos, o potencial patogênico e as relações clonais entre K. pneumoniae (n = 25) isoladas de amostras coletadas de pacientes nas unidades de terapia intensiva (UTI) de um hospital terciário da região norte do Brasil. A maioria dos isolados de K. pneumoniae (n = 21, 84%) foi classificada como multidroga-resistentes (MDR) com resistência de alto nível aos ²-lactâmicos, aminoglicosídeos, quinolonas, tigeciclina e colistina. Todos os 25 isolados apresentaram produção de beta-lactamases de espectro estendido (ESBL), incluindo os produção de carbapenemase, e transportaram os genes blaKPC (100%), blaTEM (100%), variantes blaSHV (n = 24, 96%), grupo blaOXA-1 (n = 21, 84%) e grupo blaCTX-M-1 (n = 18, 72%). O sorotipo K2 foi encontrado em 4% (n = 1) dos isolados e o K1 não foi detectado. Os genes associados à virulência encontrados entre os 25 isolados foram mrkD (n = 24, 96%), fimH-1 (n = 22, 88%), entB (100%), iutA (n = 10, 40%), ybtS (n = 15, 60%). Os genes relacionados com as bombas de efluxo e as porinas da membrana externa encontrados foram AcrAB (100%), tolC (n = 24, 96%), mdtK (n = 22, 88%), OmpK35 (n = 15, 60%) e OmpK36. (n = 7, 28%). ERIC-PCR foi empregado para determinar a relação clonal entre as diferentes cepas isoladas. Os padrões de ERIC-PCR obtidos revelaram que a similaridade entre os isolados foi acima de 70%. Para determinar os tipos de sequência (ST) foi utilizado um ensaio de tipagem de sequência multilocus (MLST). Os resultados indicaram a presença de clones internacionais de alto risco entre os isolados. Em nosso estudo, a grande variedade de K. pneumoniae MDR contendo genes B-lactâmicos e de virulência sugere fortemente a necessidade de implementação de estratégias eficazes para prevenir e controlar a disseminação de infecções resistentes a antibióticos. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
FERREIRA, ROUMAYNE L.; DA SILVA, BRENDA C. M.; REZENDE, GRAZIELA S.; NAKAMURA-SILVA, RAFAEL; PITONDO-SILVA, ANDRE; CAMPANINI, EMELINE BONI; BRITO, MARCIA C. A.; DA SILVA, EULALIA M. L.; DE MELO FREIRE, CAIO CESAR; DA CUNHA, ANDERSON F.; DA SILVA PRANCHEVICIUS, MARIA-CRISTINA. High Prevalence of Multidrug-Resistant Klebsiella pneumoniae Harboring Several Virulence and beta-Lactamase Encoding Genes in a Brazilian Intensive Care Unit. FRONTIERS IN MICROBIOLOGY, v. 9, JAN 22 2019. Citações Web of Science: 5.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.