Busca avançada
Ano de início
Entree

Aplicação da imunologia de sistemas para a resolução dos mecanismos de proteção contra a Peste Suína Clássica induzida por vacina

Processo: 19/16444-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de dezembro de 2019 - 30 de novembro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunogenética
Convênio/Acordo: University of Surrey
Proposta de Mobilidade: SPRINT - Projetos de pesquisa - Mobilidade
Pesquisador responsável:Helder Takashi Imoto Nakaya
Beneficiário:Helder Takashi Imoto Nakaya
Pesq. responsável no exterior: Falko Steinbach
Instituição no exterior: University of Surrey, Inglaterra
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:18/14933-2 - Biologia integrativa aplicada à saúde humana, AP.JP2
Assunto(s):Vacinas  Peste suína clássica  Vírus da febre suína clássica  Vírus de RNA  Interferon gama  Biologia de sistemas  Suínos  Cooperação internacional 

Resumo

A Peste Suína Clássica (PSC) é uma doença contagiosa, hemorrágica e muitas vezes fatal de Suidae, como porcos e javalis, causada pelo vírus da peste suína clássica (CSFV). O CSFV é um vírus de RNA de fita simples, envelopado, que pertence à família Flaviviridae (Moennig, 2000), relacionado, por exemplo, ao vírus da Zika e da Febre Amarela. O CSFV pode ser controlado por vacinação, particularmente utilizando a vacina da cepa C. A vacina fornece uma proteção rápida e completa dos porcos contra a infecção e também previne a transmissão viral dentro de 5 dias da vacinação.As cascatas de sinalização imunológica por trás da proteção precoce proporcionada pela cepa C são mal compreendidas, mas precedem a resposta adaptativa, em que as células CD8+ IFNg+ chegam antes da detecção de uma resposta de anticorpos neutralizadores de vírus. O interferon é um componente chave de como o sistema imune inato responde ao desafio com o CSFV. As abordagens de imunologia do sistema foram realizadas em humanos, por exemplo, na vacina altamente eficaz da Febre Amarela. Decifrar as vias de sinalização imune que sustentam a eficácia da vacina da cepa C pode moldar e otimizar a próxima geração de vacinas marcadoras e de subunidades bem além do CSFV, pois o acesso ao material, incluindo os tecidos post-mortem, quando necessário, não é limitado. Trabalhos anteriores indicaram um papel fundamental do sistema interferon se estimulado antes do desafio. A equipe da UoS já realizou estudos adicionais ao mencionado acima para caracterizar a ação da vacina contra a cepa C do CSFV após a vacinação. Em particular, realizamos um estudo amostrando amígdalas em vários momentos nas primeiras 90 horas, comparando a linhagem C e um vírus de desafio virulento à linha de base. As amostras foram armazenadas para posterior análise por sequenciamento profundo, que será realizado em 2019. Para o início de 2020, outro projeto desse tipo está planejado para o projeto, do qual a equipe da USP fornecerá dados.O projeto é especificamente projetado para promover a colaboração entre a equipe do Prof Nakaya na USP e a equipe do Prof Steinbach em Surrey, através de visitas colaborativas em particular. O objetivo é gerar dados em colaboração a partir dos quais as publicações e outras solicitações de subsídios serão geradas no decorrer do projeto. (AU)