Busca avançada
Ano de início
Entree

Sensores energéticos e polarização de monócitos / macrófagos M1 e M2: potencial influência do tecido adiposo visceral e aptidão aeróbia

Resumo

Os monócitos são células sanguíneas do sistema imune que, quando infiltrados em tecidos, se diferenciam em macrófagos M1 ou M2 vinculados a uma atividade pró ou anti-inflamatória, respectivamente. O fenótipo M1 é predominante no tecido adiposo branco (TAB) de sujeitos obesos, participa diretamente na liberação de citocinas pró-inflamatórias durante o processo de inflamação crônica de baixo grau e exibe predominância do metabolismo glicolítico. Por outro lado, fenótipo M2 é encontrado maioritariamente no TAB de indivíduos eutróficos, secreta citocinas que medeiam a resposta anti-inflamatória, apresenta metabolismo oxidativo e sua polarização é marcada pela prática de exercício físico. Dessa forma, equilíbrio entre M1 e M2 é essencial para manutenção homeostática das células. No entanto, aumento dos depósitos de gordura visceral e baixa aptidão aeróbia são fatores determinantes para direcionar para fenótipo M1. As concentrações circulantes de glicose e ácidos graxos modulam diferentes sensores energéticos intracelulares, além de ativar e/ou inibir a síntese de diferentes hormônios envolvidos na homeostase energética. Um importante sensor energético detector de oscilações nas concentrações de glicose celular é a proteína quinase ativada por AMP (AMPK). Por outro lado, um importante hormônio envolvido no remodelamento do tecido adiposo é a leptina. A leptina é um hormônio liberado principalmente pelo TAB que apresenta funções centrais e periféricas, dentre elas, regulação do apetite, gasto energético e modulação da resposta imunológica. Em monócitos, esse hormônio é capaz de estimular a ativação, proliferação e secreção dessas células. Contudo, a resposta dos monócitos frente a estímulos de polarização para o fenótipo M1 ou M2, na ausência ou presença de leptina, inibindo ou ativando AMPK em indivíduos eutróficos e obesos, principalmente com excesso de gordura visceral, com diferentes níveis de condicionamento físico (baixo ou alto consumo de oxigênio máximo) é incipiente. Frente as questões levantadas, no presente projeto vamos explorar as seguintes questões: 1) como a composição corporal e aptidão aeróbia influenciam a diferenciação de monócitos para macrófagos de fenótipo M1 ou M2 in vitro; 2) papel da AMPK e leptina na polarização de macrófagos para fenótipo M1 ou M2 in vitro de acordo com a composição corporal e aptidão aeróbia. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
VON AH MORANO, ANA E.; DORNELES, GILSON P.; PERES, ALESSANDRA; LIRA, FABIO S. The role of glucose homeostasis on immune function in response to exercise: The impact of low or higher energetic conditions. Journal of Cellular Physiology, v. 235, n. 4 SEP 2019. Citações Web of Science: 1.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.