Busca avançada
Ano de início
Entree

"terapia probiótica personalizada na redução do risco de doenças relacionadas à disbiose"

Processo: 19/13942-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de abril de 2020 - 31 de março de 2022
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição
Pesquisador responsável:Daniela Cardoso Umbelino Cavallini
Beneficiário:Daniela Cardoso Umbelino Cavallini
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Pesq. associados:Alexandra Ivo de Medeiros ; Larissa Sbaglia Celiberto ; Luis Carlos Spolidorio
Assunto(s):Microbiota  Probióticos  Colite  Obesidade 

Resumo

A microbiota intestinal apresenta íntima relação com a homeostase do sistema imune e a alteração em sua composição está envolvida na gênese de diferentes doenças inflamatórias. O consumo de probióticos é uma estratégia que vem sendo utilizada para modificar de forma benéfica a microbiota de indivíduos portadores de doenças crônicas. Entretanto, tais abordagens apresentam limitações, como a resiliência intestinal, a aceitação do paciente e a discrepância de resultados. Considerando a especificidade da microbiota humana, o objetivo do presente estudo é obter um banco de células probióticas personalizado (individualizado) e avaliar o efeito dessa abordagem na prevenção e tratamento de doenças relacionadas à disbiose. O projeto será dividido em três subprojetos: A) Otimização da seleção de cepas potencialmente probióticas para terapia personalizada; B) Avaliação do efeito da terapia personalizada na prevenção da colite induzida por Dextran Sulfato de Sódio (DSS); C) Avaliação do efeito da terapia personalizada no tratamento da obesidade e suas conseqüências. No subprojeto A será realizado o isolamento e a caracterização das cepas para o tratamento personalizado nos subprojetos B e C. As cepas serão isoladas de material fecal de cada doador (n=5) por plaqueamento em meios seletivos e caracterizadas por RAPD-PCR, coloração de Gram, teste de resistência a antibióticos e sequenciamento do gene 16S rRNA (Illumina MiSeq). As cepas selecionadas (especialmente Lactobacillus spp. e Bifidobacterirum spp.) serão armazenadas em um banco de microbiota individualizado. Nos subprojetos B e C serão utilizados camundongos Swiss (Unib: SW) (n=10), livres de patógenos específicos, que receberão inicialmente um coquetel de antibióticos para depletar a microbiota e, posteriormente, serão recolinizados com a microbiota dos voluntários do subprojeto A (um voluntário doará material fecal para colonizar dois animais de cada experimento). Após a indução da colite (DSS - 3%) e da obesidade (dieta hiperlipídica), os animais serão tratados com as cepas isoladas das amostras fecais utilizadas para recolonização da microbiota (tratamento personalizado). Os parâmetros a serem avaliados incluem: variação ponderal, composição da microbiota fecal (sequenciamento), perfil de citocinas (ELISA) e de outros marcadores inflamatórios, alterações histológicas (cólon e adipócitos) e perfil de ácidos graxos de cadeia curta. Com o desenvolvimento desse projeto pretende-se mostrar que a restauração da microbiota comensal é capaz de reduzir os sintomas e o desenvolvimento de doenças, cuja gênese inclui a disbiose e que a eficácia da terapia personalizada com probióticos apresenta efeitos superiores ao da abordagem tradicional (AU)