Busca avançada
Ano de início
Entree

Expressão diferencial de microRNAs e RNA mensageiros complementares em oligodendrogliomas de diferentes graus de malignidade

Resumo

Nos últimos anos, diversos estudos foram realizados no intuito de se identificar as alterações genético/moleculares associadas com o desenvolvimento e progressão de gliomas humanos. No entanto, o prognóstico dos pacientes com gliomas de alto grau permanece reservado. O estudo de novos marcadores moleculares envolvidos na progressão tumoral tem criado novas linhas de pesquisa, principalmente aquelas relacionadas à modulação/silenciamento gênico. Por regularem a expressão gênica através da clivagem de mRNAs ou mesmo pela repressão da tradução gênica, o estudo dos miRNAs tem suscitado grande interesse, particularmente devido a sua participação na oncogênese, sendo de grande valor na identificação de novos marcadores diagnósticos e na terapia do câncer. Os miRNAs são pequenas sequências de RNAs regulatórios encontrados em plantas, insetos e em mamíferos. Os mesmos são precisamente regulados durante o neurodesenvolvimento, participando de diversas vias celulares regulatórias, relacionadas à proliferação, apoptose e migração celular, podendo se apresentar, funcionalmente, como ongenes ou genes supressores tumorais. O papel dos miRNAs em oligodendrogliomas ainda não foi estabelecido. Desse modo, o principal objetivo do presente trabalho é o de avaliar, através de microarrays, a expressão de mRNAs (41.000 genes) e miRNA (723 transcritos) em oligodendrogliomas de diferentes graus de malignidade (graus II e III, n = 8 por grupo) previamente microdissecados. Como controles serão utilizados fragmentos de substâncias brancas não-neoplásicas obtidas de pacientes operados por epilepsia do lobo temporal (n = 8). Por fim, pretendemos correlacionar a expressão dos miRNAs com os seus possíveis mRNAs complementares e validarmos tais achados por PCR em tempo real. Com este projeto, almejamos identificar miRNAs que possam ter participação na oncogênese, expandindo assim o conhecimento neste novo campo da biologia tumoral. Pretendemos ainda obter novos dados a respeito dos mecanismos moleculares envolvidos na progressão dos gliomas, bem como iniciar uma nova linha de pesquisa. (AU)