Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito dos acidos oleico, linoleico e gama-linoleico nos mecanismos envolvidos no processo de cicatrizacao de ratos diabeticos.

Resumo

Cicatrização define uma série de eventos que visam a restabelecer o tecido lesionado após a injúria. Este processo é dividido em três fases: (I) inflamação, (II) formação de tecido de granulação com deposição de matriz extracelular e (III) remodelamento. O reparo tecidual apresenta uma fina regulação dependente de sinalização específica desencadeada por diversos tipos celulares e podendo ser modulado por ácidos graxos. Neste sentido, nosso grupo vem investigando o efeito dos ácidos graxos nos mecanismos celulares e moleculares envolvidos no processo de cicatrização. Nossos resultados iniciais são promissores. Feridas diabéticas são um grande problema de saúde publica mundial. A dificuldade no processo de cicatrização de feridas em diabéticos ocorre devido a fatores como: (i) presença de proteínas glicadas (AGEs), que não só ativam células do sistema imune, mas também alteram as funções de outros tipos celulares (como células endoteliais e fibroblastos); (ii) má perfusão, principalmente em membros inferiores; (iii) neuropatia periférica, que diminui a sensibilidade a dor facilitando o surgimento e progressão de um ferimento; (iv) disfunção das funções de leucócitos. Neste sentido recentemente demonstramos que a quimiotaxia e a produção de citocinas estão alteradas em leucócitos provenientes de pacientes diabéticos. Apesar da função dos ácidos graxos na modulação da resposta inflamatória ser objeto de estudo de muitos pesquisadores seus efeitos no processo de reparo tecidual de feridas diabéticas são pouco conhecidos. Desta forma, este estudo visa a determinar os efeitos biológicos dos ácidos oléico, linoléico e g-linolênico nas diferentes fases do processo de cicatrização de ratos diabéticos, através de estudos in vitro e in vivo. O conhecimento dos mecanismos pelos quais os ácidos graxos interferem nas fases de reparo tecidual pode permitir o desenvolvimento de novos agentes terapêuticos. (AU)