Busca avançada
Ano de início
Entree

Extração de hexoquinase e glicose-6-fosfato desidrogenase em sistemas de duas fases aquosas

Processo: 98/01382-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de julho de 1998 - 31 de dezembro de 2000
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Ciência e Tecnologia de Alimentos - Engenharia de Alimentos
Pesquisador responsável:Adalberto Pessoa Junior
Beneficiário:Adalberto Pessoa Junior
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Biotecnologia  Enzimas  Glucosefosfato desidrogenase  Hexoquinase  Extração líquido-líquido  Reagentes orgânicos  Polietilenoglicóis  Cinética  Sistema de duas fases aquosas 

Resumo

O presente trabalho visa determinar as condições de recuperação/pré-purificação das enzimas hexoquinase (HK) e glicose-6-fosfato desidrogenase (G6PDH) através do uso da técnica de extração líquido-líquido em sistema de duas fases aquosas (SDFA) na forma Polietileno Glicol (PEG)/Sal. As biomoléculas, que podem ser obtidas de origem animal, vegetal ou microbiana, são geralmente sensíveis às condições normalmente oferecidas por processos extrativos industriais convencionais. No entanto, a extração em sistemas de duas fases aquosas vem sendo usada industrialmente para recuperar e/ou pré-purificar alguns produtos biotecnológicos por causar pouca influência negativa sobre a atividade biológica dessas biomoléculas. E, também, é uma técnica que utiliza reagentes de baixo custo e pode ser empregada para produtos farmacêuticos e alimentícios. Outra grande vantagem dessa técnica de separação é que tem mostrado ser de fácil ampliação de escala e é recomendada para extração de enzimas intracelulares, como é o caso da hexoquinase e da G6PDH. Como são muitas as variáveis que influenciam na eficiência de extração em sistemas de duas fases aquosas, algumas delas devem ser inicialmente selecionadas para serem avaliadas. Dentre elas têm-se aquelas que são mais básicas e devem ser consideradas num estudo inicial como: pH, concentração do tampão fosfato e massa molar/concentração do PEG. Após definição das variáveis significativas na extração, deverá ser determinado um modelo estatístico e uma superfície de resposta que melhor represente a eficiência de extração das enzimas em função das condições selecionadas pela referida técnica. Caso o rendimento da extração não seja satisfatório, outras condições de extração (por exemplo: adição de NaCl, mudança do tampão ou mudança do sistema de fases) poderão ser estudadas visando sua otimização. Na melhor condição de extração será feita uma ampliação de escala de 100 vezes para comparação dos rendimentos obtidos. Uma caracterização preliminar e alguns estudos cinéticos das enzimas recuperadas também serão realizados. (AU)