Busca avançada
Ano de início
Entree

Ecologia e pesca de animais aquáticos

Processo: 01/13299-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Temático
Vigência: 01 de maio de 2003 - 30 de abril de 2007
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia de Ecossistemas
Pesquisador responsável:Miguel Petrelli Junior
Beneficiário:Miguel Petrelli Junior
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):05/59715-2 - Pesca e dinâmica populacional do congro-rosa Genypterus brasiliensis (Regan, 1903) no sudeste do Brasil, BP.PD
03/07587-5 - Biologia reprodutiva dos gêneros atlantoraja menni, 1972 e rioraja Whitley, 1939 (Chondrichthyes: Rajidae) na plataforma interna do Sudeste do Brasil, BP.DR
Assunto(s):Ecologia de comunidades  Dinâmica de populações  Organismos aquáticos  Peixes  Pesca artesanal 

Resumo

Parte 1. Dinâmica de populações e PescaProjeto 1 -"Dinâmica de populações e pesca do tubarão martelo Sphyrna lewini (Griffith & Smith, 1834), capturado no mar territorial e zona econômica exclusiva do sudeste-sul do Brasil". O tubarão martelo, Sphyrna lewini (Elasmobranchii, Sphyrnidae), uma das espécies cosmopolitas mais valiosas no mercado internacional de barbatanas, vem sendo capturada no sudeste-sul do Brasil pelas frotas de emalhe e de espinhel de superfície. Devido sua crescente importância nos desembarques, este projeto visa caracterizar as pescarias de emalhe e espinhel utilizando dados de captura e esforço disponíveis, como também conhecer a dinâmica populacional da espécie, através de estudos de crescimento e idade, utilizando-se a distribuição de freqüência de comprimentos e leitura de anéis em vértebras de S. Lewini, que permitirão elaborar formas de manejo e conservação da espécie. Projeto 2 - "Dinâmica populacional de raias demersais dos gêneros Rioraja e Atlantoraja (Elasmobranchii, Rajidae) da costa sudeste e sul do Brasil". A família Rajidae é composta por raias demersais bentônicas, sendo encontrada em quase todos os mares do mundo, em águas frias ou tropicais. Muito comum nas capturas de arrasto e emalhe de fundo na costa sudeste e sul do Brasil, os gêneros Rioraja e Atlantoraja vêm ocupando uma parcela cada vez maior nos desembarques da frota comercial, dentro da categoria "emplastro". Este trabalho tem por objetivo testar e avaliar diversas metodologias para visualização de anéis etários em vértebras, visando o estudo de crescimento de raias dos gêneros Rioraja e Atlantoraja (R. agassizi, A. cyclophora, A. castelnaui e A. platana), bem como estimar seus parâmetros de crescimento, reprodução e mortalidade, avaliando a estrutura populacional dessas espécies. Projeto 3 -"Reprodução, alimentação e crescimento das raias de água-doce (Elasmobranchii: Potamotrygonidae) no Rio Paranã-Tocantins". No Brasil ocorre o maior número de espécies de água-doce do mundo, havendo evidências de que muitas outras ainda poderão ser descobertas, principalmente na região da Bacia Amazônica. A utilização de espécies da família Potamotrygonidae em aquariofilia tem se intensificado ultimamente, sendo necessário maior conhecimento sobre a biologia dessas espécies, visando seu manejo e conservação. O presente estudo visa identificar e redescrever espécies dessa família que ocorrem nos Rios Paraná e Arraias, Centro-Oeste do Brasil, além de conhecer a reprodução, alimentação e crescimento em ambiente natural e cativeiro, visando a obtenção de informações sobre a sua dinâmica populacional. Projeto 4 - "Biologia e Pesca do espada Trichiurus lepturus (Trichiuridae, Teleostei) da costa sudeste-sul do Brasil". O espada, TrichÍllrus leptllrus (Teleostei, Trichiuridae), é uma das espécies dentre os recursos pesqueiros costeiros da região Sudeste-Sul, que vem assumindo uma importância cada vez maior em diversas artes de pesca efetuadas na região, apesar de não haver uma pescaria direcionada para a sua exploração. O espada é uma espécie cosmopolita, distribuindo-se no Atlântico Oeste desde Massachusetts (EUA) até o norte da Argentina. Devido a sua importância como recurso pesqueiro potencial, e a inexistência de estudos completos sobre sua biologia, o presente projeto tem por objetivos: determinar a estrutura da população através da freqüência de comprimentos do pescado; conhecer o ciclo reprodutivo da espécie; avaliar a estrutura etária das capturas na costa sudeste-sul do Brasil; estimar os parâmetros de crescimento da espécie; estimar as taxas de mortalidade total, natural e por pesca; determinar a CPUE da pesca para a espécie; aplicar métodos de população virtual, análise de coortes e modelos preditivos para avaliação do estoque pesqueiro do espada. Parte 2. Ecologia de comunidades Projeto 5 -"Bases para o manejo ecologicamente sustentável da comunidade ictíica da represa de Barra Bonita (SP), Brasil". A represa de Barra Bonita representa um ecossistema sujeito a elevado estresse ambiental. Variações na abundância ou diversidade da comunidade ictíica são representativas da qualidade desse ambiente. Por isso, os peixes constituem importante objeto científico, não só para a compreensão da dinâmica do ecossistema, como também para a definição de critérios de manejo "ecologicamente sustentável". Assim, pretende-se analisar o sistema evidenciando as relações entre as características morfológicas da represa, a gestão hidráulica e a qualidade fisico-química da água do reservatório com os ciclos biológicos da fauna ictíica; caracterizar a comunidade ictíica em termos de riqueza, diversidade e abundância; avaliar o grau de integridade biótica e de estresse da comunidade, adaptando-se o índice de integridade biótica (IBI), além de verificar os efeitos causados pelo distúrbio antrópico no local; a fim de se definirem critérios de manejo "ecologicamente sustentável", garantindo a manutenção dos recursos e sua salvaguarda para as futuras gerações. Parte 3. Pesca Projeto 6 - "As atividades pesqueiras da comunidade caiçara de Picinguaba (Ubatuba, São Paulo)". As pescarias próximas à costa são de grande importância para a economia local, servindo de alimento e fonte de renda para a população. A dinâmica da exploração dos recursos pesqueiros é uma parte fundamental das ciências pesqueiras para o manejo da pesca, sendo a determinação do número de barcos atuantes o primeiro passo para se entender o funcionamento de uma pescaria. A comunidade de pescadores da Picinguaba (Ubatuba) é tradicional e conservadora de costumes caiçaras, apresentando a maior representatividade de pescadores na década de 70. Este trabalho tem por objetivo diagnosticar as características operacionais das embarcações de pesca pertencentes à comunidade de Picinguaba, de acordo com suas características físicas, espécies-alvo e área de pesca, bem como avaliar a relação entre tais características e o rendimento por viagem de pesca, permitindo definir a unidade de esforço mais adequada para os petrechos de pesca mais importantes da região. Visa também compreender as estratégias de pesca desenvolvidas pela comunidade por meio do convívio social e entrevistas. Projeto 7 - "Seletividade de anzol na captura de peixes comerciais no Pantanal de Mato Grosso do Sul, Brasil". Para promover o gerenciamento adequado dos recursos pesqueiros, quanto mais informações sobre a produção e formas de exploração do recurso, maiores serão os subsídios disponíveis para a tomada de decisões, permitindo uma exploração racional. Uma das medidas fundamentais baseia-se no conhecimento da seletividade do aparelho de captura, neste estudo, o anzol, que, conhecendo-se o tamanho do pescado sobre o qual atua, poder-se-ão indicar os tamanhos mais apropriados para que as capturas de juvenis sejam evitadas. Assim, o presente estudo tem por objetivos a determinação do padrão de seletividade para diferentes tamanhos de anzóis sobre as espécies comerciais mais capturadas: pacu, pintado, cachara, dourado e piraputanga do Pantanal de Mato Grosso do Sul, definindo-se o tamanho apropriado que selecione apenas indivíduos adultos, fornecendo, assim, subsídios para o manejo adequado destas espécies. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
KOTAS, J. E.; MASTROCHIRICO, V; PETRERE JUNIOR, M. Age and growth of the Scalloped Hammerhead shark, Sphyrna lewini (Griffith and Smith, 1834), from the southern Brazilian coast. Brazilian Journal of Biology, v. 71, n. 3, p. 755-761, AUG 2011. Citações Web of Science: 6.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.