Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da qualidade do tecido ósseo mandibular e maxilar em pacientes que fazem uso contínuo de alendronato: estudo em humanos

Processo: 14/25228-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de maio de 2015 - 31 de outubro de 2017
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Periodontia
Pesquisador responsável:Gabriela Giro
Beneficiário:Gabriela Giro
Instituição-sede: Universidade de Guarulhos (UNG). Campus Guarulhos-Centro. Guarulhos , SP, Brasil
Pesq. associados:Marta Ferreira Bastos ; Roberto Sales e Pessoa
Assunto(s):Implantodontia  Alendronato  Difosfonatos  Homens 

Resumo

O presente estudo terá como objetivo avaliar as características do tecido ósseo mandibular e maxilar em pacientes que fazem uso contínuo de alendronato, e investigar sua relação com possíveis alterações dos níveis séricos dos marcadores bioquímicos de remodelação óssea. Serão selecionadas voluntárias em menopausa, que necessitem de reabilitação oral implantossuportadas. Estas serão divididas em 3 grupos: 1) grupo controle: pacientes sem o diagnóstico clínico de osteopenia/osteoporose; 2) grupo estrógeno: pacientes em tratamento de reposição hormonal a base de estrogênios; e 3) grupo alendronato: pacientes que fazem uso contínuo de alendronato, por pelo menos 1 ano. Após planejamento cirúrgico-protético, as voluntárias serão encaminhadas para a realização da cirurgia de instalação dos implantes. Para instalação do implantes, ao invés de iniciar a perfuração do tecido ósseo utilizando-se uma fresa piloto, será confeccionada uma loja óssea com uma fresa trefina de 2mm e coleta da amostra de tecido ósseo. Essa amostra de tecido ósseo será avaliado por meio de exame de microtomografia computadorizada, histologia de cortes descalcificados e não-descalcificados. Será realizado também modelos de elementos finitos específico de cada uma das amostras para que sejam medidas as deformações do tecido ósseo. No dia da cirurgia de instalação dos implantes será coletada amostra de sangue para análise dos marcadores biológicos de remodelação óssea. As pacientes receberão as reabilitações protéticas 4 meses após inserção dos implantes. As pacientes incluídas no estudo serão reavaliados após 30, 90 e 180 dias, para acompanhamento. (AU)