Busca avançada
Ano de início
Entree

Semiotic approaches to syncretic discourses

Processo: 16/50473-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de junho de 2017 - 31 de maio de 2019
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Linguística - Teoria e Análise Lingüística
Convênio/Acordo: Fonds de la Recherche Scientifique (F.R.S.- FNRS)
Proposta de Mobilidade: SPRINT - Projetos de pesquisa - Mobilidade
Pesquisador responsável:Jean Cristtus Portela
Beneficiário:Jean Cristtus Portela
Pesq. responsável no exterior: Maria Giulia Dondero
Instituição no exterior: Université de Liège (ULg), Bélgica
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Letras (FCL). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/22466-0 - Semiótica do discurso: epistemologia e história, AP.R
Assunto(s):Semiótica  Sincretismo  Cooperação internacional 

Resumo

Este projeto tem por objetivo estudar os discursos sincréticos a partir de uma perspectiva semiótica. Por discurso sincrético, entendemos um dispositivo composto por pelo menos dois sistemas linguageiros (o texto e a imagem, a imagem e o som, etc.), tais como encontrados no cartaz publicitário, no romance ilustrado, nos quadrinhos, na instalação artística, no grafite, entre outros. O projeto tem dois objetivos: 1. No nível teórico, identificar e comparar os quadros teóricos que permitem abordar as correspondências entre as diferentes linguagens, dentre elas a abordagem narrativa, a abordagem semissimbólica e a abordagem enunciativa. Ademais, o presente projeto pretende abordar outra dimensão dos discursos sincréticos: sua material idade e especialmente sua inscrição nos suportes (papel, muro, tela). Essa abordagem tem a vantagem de superar uma metodologia estruturalista baseada unicamente na análise do conteúdo, e de, assim, valorizar a especificidade perceptiva de cada linguagem. 2. No nível metodológico, o projeto se dedicará a uma série de análises comparativas de corpora sincréticos belgas e brasileiros. Para tirar proveito da interferência cultural das abordagens, privilegiaremos ao máximo a análise "cruzada": o córpus belga (poesia concreta, de Dotremont à Kéguenne; quadrinhos, de Hergé à Peeters/Schuiten) será prioritariamente estudado pela equipe brasileira; o córpus brasileiro (grafites de São Paulo; poesia concreta de Augusto de Campos a Júlio Plaza e Arnaldo Antunes), por parte da equipe belga. (AU)