Busca avançada
Ano de início
Entree
Conteúdo relacionado

Ação do extrato de Pothomorphe umbellata nos componentes da matriz extracelular no processo de cicatrização da pele: modelos in vivo e in vitro

Processo: 06/50479-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de agosto de 2006
Vigência (Término): 31 de julho de 2010
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia
Pesquisador responsável:Silvya Stuchi Maria-Engler
Beneficiário:Carla Abdo Brohem
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Assunto(s):Cicatrização   Farmacologia molecular   Metaloproteinases da matriz   Medicamentos fitoterápicos

Resumo

Com a ocorrência de uma lesão em uma determinada área da pele inicia-se uma seqüência dinâmica de processos biológicos específicos e complexos, denominado cicatrização. Tais processos são fundamentados em interações célula-matriz extracelular e na ação de citosinas e/ou fatores de crescimento presentes na cicatrização, a qual pode ser morfologicamente observada em três fases. Os eventos de migração e remodelação que ocorrem durante o reparo da pele requerem a atividade de metaloproteinases de matriz (MMPs), e sua regulação por seus inibidores fisiológicos específicos (tissue inhibitors of metaloproteinases, TIMPs). O desequilíbrio da atividade dessas enzimas contribui para um atraso no processo de cicatrização, sugerindo um papel funcional dessas proteases no processo normal de reparo da pele.A espécie Pothomorphe umbellata L. Miq., conhecida popularmente como pariparoba, é empregada na medicina popular para o tratamento de diversos males, incluindo o tratamento de queimaduras e feridas comuns. Estudos realizados demonstraram a atividade inibitória de MMP-2 e MMP-9 do extrato liofilizado da raiz de Pothomorphe umbellata, quando avaliada em ensaios "in vitro".Sendo assim, devido à importância da potencial utilização de modulação da atividade de MMPs no processo de cicatrização, estudar a ação do extrato de P. umbellata neste contexto poderá contribuir para o desenvolvimento de novos fármacos que auxiliem na aceleração da cicatrização de feridas cutâneas. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Composto impede avanço de melanoma  
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.