Busca avançada
Ano de início
Entree

Utilização de c-DNA microarrays na detecção de alterações na transcrição gênica em mastocitomas caninos

Processo: 11/04038-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2011
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2013
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Clínica e Cirurgia Animal
Pesquisador responsável:Mirela Tinucci Costa
Beneficiário:Paulo César Jark
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Assunto(s):Oncologia veterinária   Mastocitoma animal   Cães

Resumo

A caracterização do genoma canino permitiu nas ultimas décadas a identificação de genes envolvidos no processo carcinogênico de tipos distintos tumorais, com a aplicação de diferentes metodologias, geralmente estudando um número limitado de genes envolvidos no desenvolvimento neoplásico. Recentemente a utilização de uma nova tecnologia em biologia molecular denominada microarrays, permitiu avaliar a expressão gênica em larga escala, e desta forma a identificação de genes envolvidos no processo de carcinogênese permitindo o desenvolvimento de terapias alvo específicas. Além de auxiliarem na escolha do tratamento a ser empregado, a análise de expressão gênica em larga escala, pode ser importante como fator prognóstico. A classificação histopatológica baseada nos critérios propostos por Patnaick et al. (1984) dos mastocitomas cutâneos caninos é o principal fator prognóstico, já que se correlaciona com o tempo de sobrevida. Porém há relatos na literatura da discordância nesta graduação, já que se baseia em critérios subjetivos. Recentemente, Kiupel et al. (2011) propuseram a classificação dos mastocitomas caninos em dois graus histológicos: alto e baixo grau e observaram uma correlação com a sobrevida menor que quatro meses nos animais com mastocitomas de alto grau, quando comparados aos de baixo grau. Esta diferença pode estar relacionada a expressão gênica diferenciada entre estes dois grupos e por isso propomos a utilização de microarrays de expressão em mastocitomas, independente do grau histopatológico, em cães que apresentarem sobrevida maior e menor que quatro meses. A utilização da tecnologia de microarray nos mastocitomas caninos pode significar um avanço no estudo desta neoplasia, pois permitirá a avaliação de um grande número de transcritos, possibilitando a eleição de genes candidatos que diferenciem o prognóstico. O objetivo do presente trabalho é comparar o padrão de alterações na transcrição gênica de 16 casos de mastocitoma canino, através da técnica de microarray, em cães que sobreviveram um período menor que quatro meses após o diagnóstico com aqueles com sobrevida superior a este período, o que possibilitará identificar os genes diferencialmente expressos em animais com menor sobrevida, a fim de posteriormente funcionarem como possíveis alvos prognósticos e preditivos. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
JARK, PAULO C.; MUNDIN, DEBORAH B. P.; DE CARVALHO, MARCIO; FERIOLI, RAQUEL B.; ANAI, LETICIA A.; MARCHI, FABIO A.; ROGATTO, SILVIA R.; LAUFER-AMORIM, RENEE; TINUCCI-COSTA, MIRELA. Genomic copy number variation associated with clinical outcome in canine cutaneous mast cell tumors. Research in Veterinary Science, v. 111, p. 26-30, APR 2017. Citações Web of Science: 4.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
JARK, Paulo César. Alterações no número de cópias genômicas em mastocitomas cutâneos caninos. 2013. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.