Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização funcional de uma quitinase do fungo Moniliophthora perniciosa com possível papel na patogenicidade sobre o cacaueiro durante a doença vassoura de bruxa.

Processo: 11/23315-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2012
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2013
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Molecular e de Microorganismos
Pesquisador responsável:Gonçalo Amarante Guimarães Pereira
Beneficiário:Gabriel Lorencini Fiorin
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):13/09878-9 - Caracterização funcional de uma quitinase do fungo Moniliophthora perniciosa com possível papel na patogenicidade sobre o cacaueiro durante a doença vassoura de bruxa, BE.EP.IC
Assunto(s):Quitinase   Vassoura-de-bruxa   Moniliophthora perniciosa

Resumo

O cacaueiro (Theobroma cacao) é uma cultura perene de grande importância econômica mundial e responsável por gerar uma porção considerável das divisas nacionais. A produtividade da lavoura cacaueira no Brasil se manteve elevada e garantiu grandes lucros ao país até 1989, quando a doença vassoura de bruxa, causada pelo basidiomiceto Moniliophthora perniciosa, se instalou nas plantações de cacau do sul da Bahia. O estabelecimento da doença nos cacauais baianos aniquilou a agroindústria cacaueira, levando o Brasil da condição de exportador para a de importador de cacau e gerando problemas de ordem social e ambiental. As estratégias tradicionais de controle da doença se mostram pouco efetivas, sendo essencial a melhor compreensão desta patologia para a elaboração de medidas úteis de combate a ela. Importantes avanços neste sentido vêm sendo obtidos através do Projeto Genoma Vassoura de Bruxa. Conjuntamente a ele, está sendo elaborado o Atlas Transcriptômico da vassoura de bruxa, cuja inspeção levou à identificação do gene de uma quitinase (Mp-Chi), a qual é alta e exclusivamente expressa pelo fungo durante a sua interação com o hospedeiro. Notavelmente, esta enzima apresenta uma alteração em seu sítio catalítico que levaria à ausência de atividade quitinolítica. Diante do seu padrão de expressão e da provável ausência de atividade enzimática, é possível que esta proteína represente um mecanismo de proteção de M. perniciosa contra quitinases produzidas pela planta através da ligação à quitina da parede celular do fungo e bloqueio estérico dessas enzimas hidrolíticas. O presente projeto visa verificar se a quitinase Mp-Chi desempenha tal papel na patologia do cacaueiro causada por M. perniciosa. Para isto, serão realizados a clonagem, expressão heteróloga e testes de atividade da Mp-Chi, a fim de se confirmar a ausência de atividade quitinolítica, assim como ensaios que permitam atestar sua capacidade de ligação à quitina. A caracterização da função desta quitinase na doença vassoura de bruxa representará um importante passo na compreensão das estratégias de evasão de M. perniciosa e uma novidade relevante no campo da fitopatologia moderna.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
FIORIN, GABRIEL L.; SANCHEZ-VALLET, ANDREA; THOMMA, BART P. H. J.; PEREIRA, GONCALO A. G.; TEIXEIRA, PAULO J. P. L. MAMP-triggered Medium Alkalinization of Plant Cell Cultures. BIO-PROTOCOL, v. 10, n. 8 APR 20 2020. Citações Web of Science: 0.
FIORIN, GABRIEL LORENCINI; SANCHEZ-VALLET, ANDREA; DE TOLEDO THOMAZELLA, DANIELA PAULA; VITAL DO PRADO, PAULA FAVORETTI; DO NASCIMENTO, LEANDRO COSTA; DE OLIVEIRA FIGUEIRA, ANTONIO VARGAS; THOMMA, BART P. H. J.; GUIMARAES PEREIRA, GONCALO AMARANTE; PEREIRA LIMA TEIXEIRA, PAULO JOSE. Suppression of Plant Immunity by Fungal Chitinase-like Effectors. Current Biology, v. 28, n. 18, p. 3023+, SEP 24 2018. Citações Web of Science: 5.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.