Busca avançada
Ano de início
Entree

Métodos de debicagem: desenvolvimento e desempenho produtivo de poedeiras leves e semipesadas

Processo: 13/07312-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de junho de 2013
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Zootecnia - Produção Animal
Pesquisador responsável:Edivaldo Antônio Garcia
Beneficiário:Javer Alves Vieira Filho
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Radiação infravermelha   Manejo   Bem-estar do animal   Canibalismo

Resumo

Dois experimentos serão conduzidos com o objetivo de comparar o método de debicagem através de lâmina quente ao método de debicagem utilizando-se radiação infravermelha, sobre o desenvolvimento e parâmetros produtivos de três linhagens de poedeiras comerciais. Durante a realização do primeiro experimento (1 - 17 semanas) as aves serão alojadas em aviário de cria e recria nos moldes comerciais. Serão utilizadas 720 pintainhas com um dia de idade e a partir da 5ª semana de idade 672 aves serão transferidas para aviário de recria. Será adotado um delineamento inteiramente ao acaso em esquema fatorial 2 x 3 (2 técnicas de debicagem x 3 linhagens), totalizando seis tratamentos experimentais: T1 - debicagem infravermelha/linhagem Lohmann LSL; T2 - debicagem infravermelha/Hy-line W-36; T3 - debicagem infravermelha/Lohmann Brown; T4 - debicagem lâmina quente/Lohmann LSL; T5 - debicagem lâmina quente/Hy-line W-36; T6 - debicagem lâmina quente/Lohmann Brown. Na fase de cria serão utilizadas seis repetições de 20 aves por parcela experimental, já durante a fase de recria serão oito repetições de 14 aves por parcela experimental. A debicagem através de radiação infravermelha será realizada ao primeiro dia no incubatório, já o método convencional de debicagem com lâmina quente ocorrerá aos sete dias de vida. A segunda debicagem será realizada às 10 semanas de idade em metade das aves de todos os tratamentos experimentais. Serão avaliados os parâmetros uniformidade, consumo de ração, conversão alimentar, comprimento de bico, viabilidade, freqüência de canibalismo e mortalidade. O segundo experimento compreenderá a fase de produção (18ª a 42 ª semanas de idade), onde 560 aves, selecionadas do experimento anterior serão alojadas em aviário de postura comercial. As aves serão distribuídas em delineamento inteiramente ao acaso em esquema fatorial 2 x 3, com manutenção dos seis tratamentos utilizados no experimento anterior, porém com 10 repetições de dez (Lohmman LSL e Hy-Line W-36) e oito (Lohmman Brown) aves por parcela experimental. Os parâmetros de desempenho avaliados serão idade ao primeiro ovo, maturidade sexual, consumo de ração, produção de ovos, peso médio dos ovos, conversão alimentar, persistência de postura, freqüência de canibalismo e mortalidade. Para avaliação das características de qualidade dos ovos, o experimento será dividido em seis períodos de 28 dias, onde serão avaliadas a gravidade específica, resistência da casca à quebra, porcentagem de gema, albúmen e casca bem como unidade Haugh. Os dados de ambos os experimentos serão submetidos à análise de variância através das ferramentas do programa SISVAR, com as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5%. As variáveis que não apresentarem distribuição normal serão transformadas [(x + 0,5)^0,5] para posteriores análises.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
JAVER ALVES VIEIRA FILHO; EDIVALDO ANTÔNIO GARCIA; EUNICE OBA; TIAGO ANTÔNIO DOS SANTOS; ANDERSON PONTES SILVA; ANDRÉA BRITTO MOLINO; IBIARA CORREIA DE LIMA ALMEIDA PAZ; GRACE ALESSANDRA DE ARAÚJO BALDO. Índice produtivo e qualidade de ovos de galinhas poedeiras submetidas a diferentes métodos de debicagem. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 51, n. 6, p. 759-765, Jun. 2016.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.