Busca avançada
Ano de início
Entree

Percepção de pacientes com Transtornos Alimentares acerca do grupo de apoio

Processo: 14/19081-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2015
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Psicologia - Tratamento e Prevenção Psicológica
Pesquisador responsável:Manoel Antônio dos Santos
Beneficiário:Julia Ribeiro
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Psicopatologia   Transtornos da alimentação e da ingestão de alimentos   Tratamento psicológico   Serviços de saúde   Coleta de dados   Inquéritos e questionários   Entrevista   Análise de conteúdo   Estudo clínico

Resumo

Transtornos alimentares (TAs) constituem um grupo de graves perturbações do comportamento alimentar, que se subdividem em Anorexia Nervosa (AN), Bulimia Nervosa (BN) e Transtorno da Compulsão Alimentar. A etiologia multifatorial inclui os fatores familiares. Por se tratar de uma psicopatologia que pode evoluir para uma condição crônica, a questão da adesão ao tratamento é considerada um ponto crítico, exigindo atenção multidisciplinar e o envolvimento e participação ativa dos familiares incluída como parte do plano terapêutico das(os) pacientes. Com a reorientação do modelo de atenção em saúde, o tratamento psicológico na modalidade grupal, em particular os grupos de apoio em contexto ambulatorial, têm sido preconizados como estratégias a serem utilizadas pelos serviços de saúde. Todavia, pouco se sabe sobre a percepção dos participantes sobre esses grupos, o que demanda investimentos em pesquisas que permitam esclarecer a relevância atribuída ao grupo por aqueles que dele participam e o sustentam, circunscrevendo seus limites e suas potencialidades. Hipotetiza-se que o envolvimento dos pacientes com TAs no tratamento como um todo pode ser potencializado por esses grupos, o que contribuiria para aumentar a motivação para permanecerem no tratamento e se recuperarem de seus sintomas. Acredita-se também que, se a aliança terapêutica for bem estabelecida e se houver envolvimento genuíno dos pacientes no plano terapêutico, os pacientes poderão se sentir amparados e apoiados a enfrentarem os desafios e ambivalências que encontram na travessia de seu tratamento. Considerando-se esses pressupostos, o presente estudo tem como objetivo investigar a percepção de pacientes com TAs acerca dos grupos de apoio do qual participam. Trata-se de um estudo clínico-qualitativo. Serão incluídos todos os pacientes diagnosticados com AN e BN que participam das reuniões semanais dos grupos de apoio. Trata-se de um estudo de abordagem qualitativa, descritivo e exploratório, de corte transversal. A amostra de conveniência será composta por pacientes acometidos pelos TAs, vinculados a um serviço especializado de um hospital universitário. Complementando o referencial metodológico clínico-qualitativo será utilizada a conceituação do incidente crítico. O marco teórico a ser empregado para a análise dos dados será a sistematização dos fatores terapêuticos proposta por Yalom. Para coleta de dados será utilizado um Formulário de Dados Sociodemográficos e o Questionário do Incidente Crítico (QIC), com o propósito de avaliar facilidades e dificuldades percebidas pelas(os) pacientes durante o grupo de apoio. Serão realizadas entrevistas individualmente, em situação face a face, ao longo de um único encontro, consecutivo ao término da sessão grupal. As entrevistas serão audiogravadas mediante autorização dos participantes. Após a coleta de dados, o conteúdo audiogravado será transcrito literalmente e na íntegra. Posteriormente, os dados serão submetidos à análise de conteúdo temática. Para tanto, será investigada a perspectiva pela qual os participantes compreendem as situações compartilhadas em grupo, em termos dos sentimentos, pensamentos e comportamentos despertados. Acredita-se que o conhecimento resultante possa favorecer o aperfeiçoamento de estratégias de intervenção e o desenvolvimento de novas práticas no tratamento oferecido pelos profissionais de saúde aos pacientes com TAs e seus familiares.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)