Busca avançada
Ano de início
Entree

Mobilidade territorial do trabalho e captura da subjetividade de jovens em territórios de produção de agrocombustíveis no departamento do meta (Colômbia) e no Pontal do Paranapanema (São Paulo, Brasil)

Processo: 15/10470-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2016
Vigência (Término): 04 de maio de 2018
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Geografia - Geografia Humana
Pesquisador responsável:Antonio Thomaz Júnior
Beneficiário:Robinzon Piñeros Lizarazo
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Presidente Prudente. Presidente Prudente , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:12/23959-9 - Mapeamento e análise do território do agrohidronegócio canavieiro no Pontal do Paranapanema - São Paulo - Brasil: relações de trabalho, conflitos e formas de uso da terra e da água, e a saúde ambiental, AP.BIOEN.TEM
Bolsa(s) vinculada(s):17/04426-3 - La responsabilidad social empresarial como estratégia de control del trabajo en territórios de producción de agrocombustibles en el Departamento de Meta y Casanare (Colombia), BE.EP.DR

Resumo

A reestruturação produtiva do capital tem transformado a dinâmica geográfica do capitalismo, ocasionando vários reflexos na divisão territorial do trabalho. As consequências no campo são o avanço das monoculturas para a produção de agrocombustíveis, atreladas ao mercado global de energia, às políticas de desenvolvimento sustentável e aos interesses de classe, no aparato estatal. Avalia-se que a América Latina é uma região ideal para esse tipo de desenvolvimento, tendo em vista as grandes extensões de terras férteis, disponibilidade hídrica (superficial e de aquífero), e infraestrutura. Nesse expediente, Brasil e Colômbia se destacam como dois dos países com maior territorialização desses processos. A reestruturação produtiva do capital tem transformado a dinâmica geográfica do capitalismo, ocasionando vários reflexos na divisão territorial do trabalho. As consequências no campo são o avanço das monoculturas para a produção de agrocombustíveis, atreladas ao mercado global de energia, às políticas de desenvolvimento sustentável e aos interesses de classe, no aparato estatal. Avalia-se que a América Latina é uma região ideal para esse tipo de desenvolvimento, tendo em vista as grandes extensões de terras férteis, disponibilidade hídrica (superficial e de aquífero), e infraestrutura. Nesse expediente, Brasil e Colômbia se destacam como dois dos países com maior territorialização desses processos. Em face disso, esta pesquisa tem como objetivo geral compreender a expansão do agrohidronegócio dos agrocombustíveis, em duas áreas desses países, ou seja, o Pontal do Paranapanema, no Estado de São Paulo (Brasil), e o Departamento do Meta (Colômbia), e seus desdobramentos para a mobilidade e a captura da subjetividade da força-de-trabalho jovem. Os procedimentos metodológicos construídos para elucidar a pesquisa fundamentam-se na metodologia qualitativa, concebendo as diferenças dos dois territórios como manifestações dialéticas do desenvolvimento desigual.Os questionamentos se inscrevem em três eixos: a) o avanço dos agrocombustíveis, nos dois países, desvendando as formas da divisão territorial do trabalho, b) as escalas e temporalidades da mobilidade da força-de-trabalho dos jovens para o plantio e as unidades processadoras de agrocombustíveis, c) as formas de gestão e controle do trabalho ancoradas na captura da subjetividade e as formas de luta e resistência como reflexo dos processos de (des)pertencimento de classe.Os questionamentos se inscrevem em três eixos: a) o avanço dos agrocombustíveis, nos dois países, desvendando as formas da divisão territorial do trabalho, b) as escalas e temporalidades da mobilidade da força-de-trabalho dos jovens para o plantio e as unidades processadoras de agrocombustíveis, c) as formas de gestão e controle do trabalho ancoradas na captura da subjetividade e as formas de luta e resistência como reflexo dos processos de (des)pertencimento de classe.

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.