Busca avançada
Ano de início
Entree

Emprego de métodos de imagem de alta-resolução in vivo para estudo das alterações perfusionais e inflamatórias miocárdicas em modelo experimental de cardiomiopatia chagásica crônica no hamster

Processo: 15/25209-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de julho de 2016
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2018
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Marcus Vinicius Simões
Beneficiário:Luciano Fonseca Lemos de Oliveira
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):16/16746-0 - Emprego de métodos de imagem de alta-resolução in vivo para estudo das alterações perfusionais e inflamatórias miocárdicas em modelo experimental de cardiomiopatia chagásica crônica no hamster, BE.EP.DR
Assunto(s):Cardiologia

Resumo

Vários aspectos fisiopatogênicos da cardiomiopatia chagásica crônica (CCC) ainda carecem de elucidação, principalmente os mecanismos que determinam o aparecimento da lesão miocárdica crônica na fase tardia, 2 a 3 décadas após a fase aguda. Além da persistência do parasita no tecido cardíaco e a resposta inflamatória exacerbada por aspectos de autoimunidade, evidências experimentais e clínicas apontam para uma participação da isquemia microvascular contribuindo neste processo de progressão da cardiomiopatia. Contudo, um estudo clínico longitudinal que permita avaliar esses aspectos, exibe virtual impedimento frente ao longo prazo de observação. Neste cenário, o emprego do modelo experimental em hamster que reproduz a fase crônica da CCC após 6 meses da infecção, poderia fornecer observações valiosas sobre esses mecanismos fisiopatogênicos. Dessa forma, o presente estudo tem por objetivo investigar a correlação entre as alterações de perfusão e da inflamação miocárdica com a progressão da disfunção miocárdica no modelo experimental de CCC. Resumidamente, após a infecção de hamsters sírios fêmeas com cepa Y de Tripanossoma Cruzi, serão realizadas avaliações da função miocárdica pelo Ecocardiograma-2D, avaliações da perfusão miocárdica mediante emprego do mini-SPECT e da viabilidade e inflamação miocárdica com MicroPET. A avaliação da função/estrutura e da perfusão cardíaca serão realizadas nas janelas temporais de 2, 4, 6, 8 e 10 meses após a infecção. A avaliação de viabilidade e inflamação miocárdica com F18-FDG serão realizadas na janela temporal de 10 meses após a infecção. Ao final do estudo, os animais sofrerão eutanásia e tecido miocárdico será coletado para estudos histológicos para quantificação de fibrose e inflamação para permitir a correlação desses achados com os resultados dos estudos obtidos in vivo.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
LEMOS DE OLIVEIRA, LUCIANO FONSECA; THACKERAY, JAMES T.; MARIN NETO, JOSE ANTONIO; DIAS ROMANO, MINNA MOREIRA; VIEIRA DE CARVALHO, EDUARDO ELIAS; MEJIA, JORGE; TANAKA, DENISE MAYUMI; DA SILVA, GRACE KELLY; ABDALLA, DOUGLAS REIS; MALAMUT, CARLOS; BENGEL, FRANK M.; HIGUCHI, MARIA DE LOURDES; SCHMIDT, ANDRE; CUNHA-NETO, EDECIO; SIMOES, MARCUS VINICIUS. Regional Myocardial Perfusion Disturbance in Experimental Chronic Chagas Cardiomyopathy. JOURNAL OF NUCLEAR MEDICINE, v. 59, n. 9, p. 1430-1436, SEP 1 2018. Citações Web of Science: 2.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
OLIVEIRA, Luciano Fonseca Lemos de. Emprego de métodos de imagem de alta-resolução in vivo para estudo das alterações perfusionais e inflamatórias miocárdicas em modelo experimental de cardiomiopatia chagásica crônica no hamster. 2018. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Ribeirão Preto.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.