Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação do método de treinamento cognitivo com realidade virtual em pacientes com traumatismo cranioencefálico moderado e grave

Processo: 16/11706-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2016
Vigência (Término): 30 de novembro de 2018
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Wellingson Silva Paiva
Beneficiário:Thiago Mazzoli Pedroso de Moraes
Instituição-sede: Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Terapia de exposição à realidade virtual   Traumatismos craniocerebrais   Neuropsicologia   Neurologia   Cognição

Resumo

O Traumatismo Cranioencefálico (TCE) é um problema de saúde global e exerce grande impacto socioeconômico no mundo. É a principal causa de morte entre 5 e 44 anos no mundo, correspondendo a 10% da população. Estima-se que anualmente 1.7 milhões de indivíduos nos Estados Unidos sofrem TCE e cerca de metade (43%) dos pacientes que foram hospitalizados, possuíram alguma condição incapacitante após 1 ano desde o ferimento. No Brasil, os dados epidemiológicos não diferem dos demais países. A incidência de TCE aumenta a cada ano e possui prevalência em jovens do sexo masculino, tendo como principal causa os acidentes com meios de transporte. Em 2012, o Sistema Único de Saúde (SUS) gastou no tratamento de causas externas, incluindo TCE, um valor aproxima de um bilhão de reais. A incidência de TCE varia de 26.2 a 45.6 para cada 100,000 habitantes. TCE pode ser definido como alterações no funcionamento cerebral devido a causas externas, comumente associado a prejuízos cognitivos, físicos e psicológicos permanentes ou temporários. A alteração do nível de consciência do indivíduo, permite classificar o TCE como leve, moderado ou grave. As lesões causadas pelo TCE podem prejudicar redes neurais distribuídas pelo encéfalo, dificultando determinar especificamente quais alterações cognitivas poderão ocorrer. Uma das possíveis alterações são as que envolvem Funções Executivas (FE). As FE são conjuntos de habilidades ou processos de alta prioridade, necessários para resolução de problemas, planejamento, organização, iniciativa e regulação do comportamento. Prejuízos nas FE podem repercutir no funcionamento social e independência do indivíduo. A avaliação neuropsicológica é necessária para determinar como as habilidades cognitivas podem estar afetando o desempenho do indivíduo em suas atividades cotidianas. Parte dos impactos gerados pelo TCE podem ser diminuídos através de programas de reabilitação neuropsicológica e treinos cognitivos. A Realidade Virtual (RV) é m tipo de tecnologia em ascensão que tem contribuído de forma relevante para a reabilitação neuropsicológica em pacientes com lesões cerebrais adquiridas. Parte dessa contribuição se deve a RV possuir a habilidade de gerar ambientes padronizados, replicáveis e ecológicos que seriam difíceis de serem praticados no mundo real. RV pode ser definida como processos computadorizados, tridimensionais que respondem em tempo real à interação do indivíduo. Um dos dispositivos mais populares de RV é o Head Mounted Display. Recentemente, com a criação do Oculus Rift, a RV tornou-se mais acessível, obtendo simulações mais reais. Este projeto tem como objetivo avaliar os efeitos de um treinamento cognitivo utilizando o Oculus Rift Development Kit-2. Serão recrutados para este estudo 15 pacientes vítimas de TCE, com idades entre 18 e 45 anos, de ambos os sexos. Os pacientes serão avaliados através de uma bateria neuropsicológica e de sintomas de humor em 3 momentos: 1) linha de base, antes do início do treino cognitivo; 2) após a finalização das 12 sessões e 3) depois de três meses do término das sessões. Os pacientes serão selecionados a partir de uma amostra de vítimas de TCE que realizam seguimento no Ambulatório de Neurotraumatismo da Divisão de Neurocirurgia do HC/FMUSP. Serão realizadas 12 sessões de treino cognitivos com foco em trabalhar funções cognitivas, como por exemplo, memória operacional, planejamento e controle inibitório. As sessões terão duração de aproximadamente 20 minutos. Os dados serão tabulados em planilhas eletrônicas e analisados através do SPSS 19.0. Segundo o ministério da Saúde, o TCE continua sendo umas das causas mais presentes em morbidade e mortalidade do mundo, com grandes prejuízos na qualidade de vida das vítimas, familiares e sociedade. Ambientes virtuais podem ser promissores na reabilitação de pacientes que sofreram TCE. Espera-se que este estudo auxilie na compreensão da utilização da tecnologia da RV no tratamento de vítimas de TCE. (AU)