Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação de status redox, resposta inflamatória, telômeros e expressão gênica em anestesiologistas

Processo: 16/23902-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2017
Vigência (Término): 01 de junho de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Pesquisador responsável:Mariana Gobbo Braz
Beneficiário:Kátina Meneghetti de Souza
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):17/18045-1 - Avaliação de estresse oxidativo, micronutrientes e homocisteína e suas associações com instabilidade genômica em anestesiologistas expostos ocupacionalmente aos resíduos de gases anestésicos, BE.EP.DR
Assunto(s):Estresse oxidativo   Telômero   Anestesiologia   Expressão gênica   Inflamação   Exposição ocupacional   Anestésicos inalatórios

Resumo

Em estudo anterior (Mestrado; Auxílio FAPESP 2013/05084-8), observamos que anestesiologistas atuantes em hospital universitário estão expostos a altas concentrações residuais dos anestésicos inalatórios mais utilizados atualmente (halogenados isoflurano, sevoflurano, desflurano, além de óxido nitroso) e apresentam instabilidade genética, citotoxicidade e alterações de proliferação celular, detectadas pelo teste do micronúcleo bucal. Portanto, considerando nossos resultados em relação aos efeitos deletérios da exposição ocupacional crônica aos resíduos de gases anestésicos, o presente estudo objetiva elucidar os possíveis mecanismos de toxicidade dos resíduos de gases anestésicos. Dessa forma, serão analisados diversos marcadores para avaliação do estresse oxidativo (danos oxidativos em ácidos nucleicos; peroxidação lipídica; capacidade antioxidante; metabólitos do óxido nítrico; vários antioxidantes individuais; além de homocisteína e folato), da resposta inflamatória (citocinas pró-inflamatórias - interleucinas IL-6, IL-8 e IL-17; proteína C reativa de alta sensibilidade e enzimas hepáticas), além da expressão de genes relacionados ao estresse oxidativo (hOGG1 e XRCC1) e inflamação (IL-6, IL-8 e IL-17), assim como o comprimento de telômeros, que serão determinados por biologia molecular (PCR quantitativo em tempo real). Os resultados serão comparados ao grupo controle (médicos sem exposição ocupacional), o qual será pareado por idade, sexo e estilo de vida. Ressalta-se a possibilidade de realização de estágio (Doutorado Sanduíche) na Jean Mayer USDA Human Nutrition Research Center on Aging, Tufts University (Boston, EUA), em colaboração com pesquisadores que têm ampla experiência na área de antioxidantes e estresse oxidativo.

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.