Busca avançada
Ano de início
Entree

Microfluídica para cultura 3D de h-AdMSCs em ácido hialurônico livre ou estruturado em esponjas: quimiotaxia e quimiocinese em resposta a gradientes de fatores de crescimento de L-PRP

Processo: 17/02913-4
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2017
Vigência (Término): 01 de junho de 2018
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Química
Pesquisador responsável:Maria Helena Andrade Santana
Beneficiário:Bruna Alice Gomes de Melo
Supervisor no Exterior: Ali Khademhosseini
Instituição-sede: Faculdade de Engenharia Química (FEQ). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Local de pesquisa : Harvard-MIT Program in Health Sciences and Technology (HST) , Estados Unidos  
Vinculado à bolsa:15/23134-8 - Influência da associação entre plasma-rico em plaquetas e ácido hialurônico na liberação de fatores de crescimento, proliferação celular e diferenciação osteogênica/condrogênica, BP.DR
Assunto(s):Medicina regenerativa   Leucócitos   Ácido hialurônico   Microfluídica   Plasma rico em plaquetas

Resumo

O plasma rico em plaquetas (PRP) é um produto autólogo obtido do sangue total, capaz de estimular a regeneração tecidual. O PRP é composto de plaquetas, que são fonte rica em fatores de crescimento (FCs), e leucócitos (chamado L-PRP), que possui funções específicas nos processos celulares, como angiogênese, mitogênese, quimiotaxia, proliferação e diferenciação. Os FCs são um dos três componentes requeridos para a proliferação celular, juntamente com as células progenitoras, responsáveis pela capacidade gênica, e scaffolds, a matriz que conduz a proliferação. L-PRP ativado é capaz de formar redes de fibrina, que são scaffolds naturais. Ácido hialurônico (AH) é um glicosaminoglicano encontrado em matrizes extra celulares (MEC) e tem sido utilizado combinado com L-PRP ativado como scaffold para crescimento celular, promovendo um efeito sinérgico na regeneração óssea, com resultados clínicos de sucesso. No entanto, existe uma falta de estudos fundamentais e pré-clínicos envolvendo as interações entre células, scaffolds e FCs liberados do L-PRP. A microfluídica é uma tecnologia que vem sendo usada recentemente para cultivo celular 3D, devido as suas diversas vantagens em relação ao cultivo convencional, como: criação de microambiente in vitro que melhor mimetiza o modelo in vivo habilidade de manipular pequenos volumes de fluidos no meio de perfusão quantificação do comportamento celular em resposta a gradientes de concentração baixo consumo de reagentes. O objetivo principal deste projeto é a utilização de FCs liberados do L-PRP em ensaios de cultivo de células mesenquimais de tecido adiposo humano (h-AdMSCs) e de diferenciação osteogênica e condrogênica na presença de AH livre ou em esponjas (de baixa e alta massa molar) em plataforma microfluídica. Além disso, pretende-se estudar a quimiotaxia e quimiocinese para avaliar a migração celular em resposta a gradientes de FCs. (AU)