Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise dos padrões de metilação da região promotora do gene XIST (x-inactive-specific transcript) em células HCT-116 deficientes para DNMT1 e DNMT3b

Processo: 06/03416-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2006
Vigência (Término): 31 de julho de 2007
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Pesquisador responsável:Lygia da Veiga Pereira
Beneficiário:Clarisse Jeker Marchi
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Inativação do cromossomo X   Genética molecular   Metilação

Resumo

Os mamíferos possuem um mecanismo de compensação de dose de transcritos do cromossomo X, já que fêmeas possuem dois destes enquanto os machos possuem apenas um. Este mecanismo é chamado de Inativação do cromossomo X (ICX), e consiste de cinco passos: contagem, escolha, início do silenciamento, estabelecimento e manutenção do estado inativo. Os primeiros quatro passos são controlados pelo centro de inativação do X (Avner & Heard, 2001, do inglês X-inactivation centre, XIC), uma região presente em Xq13 e de tamanho não estabelecido. O XIST (do inglês X-inactive-specific transcript, Brown et al., 1991), presente no XIC, é o principal gene atuante no processo da ICX. A sua expressão, a partir de um cromossomo X é dependente do estado de metilação da sua extremidade 5´: quando metilada, o gene XIST inicia a inativação deste em cis. São conhecidas até hoje cinco metiltransferases responsáveis pela metilação global do genoma em mamíferos: Dnmt1, Dnmt2, Dnmt3a, Dnmt3b e Dnmt3L. Em camundongos foi visto que Dnmt1 e Dnmt3b são imprescindíveis para a viabilidade das células; entretanto experimentos em células humanas de carcinoma deficientes para as duas enzimas mostraram que estas metiltransferases não são tão importantes como se imaginava, já que aquelas células continuavam viáveis. O papel destas metiltransferases foi investigado na metilação do gene XIST nestas mesmas células deficientes para DNMT1 e DNMT3B, e viu-se que nestas este gene continuava reprimido. Este fato indica portanto, que estas enzimas não atuam na repressão de XIST, apesar de atuarem na metilação global de 95% do genoma humano. Entretanto, uma vez que, somente três sítios passíveis de metilação foram analisados por digestão com enzimas de restrição sensíveis à metilação faz-se necessária a confirmação destes resultados através de uma análise mais refinada. Este trabalho pretende analisar o estado de metilação dos 29 dinucleotídios CpG na região promotora do gene XIST em células HCT-116 normais e deficientes para DNMT1 e DNMT3B.