Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento e implementação de maquete tátil sonora com sistema embarcado

Processo: 09/09673-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2009
Vigência (Término): 30 de setembro de 2010
Área do conhecimento:Interdisciplinar
Pesquisador responsável:João Vilhete Viegas d'Abreu
Beneficiário:Cristiane Matsushita Ferreira
Instituição-sede: Núcleo Interdisciplinar de Informática Aplicada à Educação (NIED). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Pessoas com deficiência visual   Acessibilidade   Cartografia tátil   Robótica educacional

Resumo

A localização espacial de objetos tridimensionais e as noções de profundidade e de dimensão são imediatamente percebidas pela visão. Num indivíduo cego, tal percepção se dá através dos outros sentidos, como o tato e a audição, mas raramente ele encontra ambientes que oferecem recursos permitindo o uso destes sentidos para ele se locomova de forma autônoma. O Núcleo de Informática Aplicada à Educação (Nied/Unicamp), na sua área de robótica pedagógica, desenvolveu um dispositivo que possibilita que deficientes visuais tenham a compreensão do ambiente que os cerca. Trata-se de uma Maquete Sonora Tátil do piso térreo da Biblioteca Central César Lattes da Universidade Estadual de Campinas. Este dispositivo, atualmente em teste de usabilidade no Laboratório de Acessibilidade na referida biblioteca, possui sensores que representam diferentes espaços que, quando acionados, reproduzem o som que os identifica. Esta maquete possui uma desvantagem, pois necessita de um computador para executar os sons, tornando-a mais complexa e cara do que o necessário.Esta proposta de Projeto de Iniciação Científica destina-se à construção e implementação de uma maquete sonora tátil que não necessite do uso do computador de forma que a sua implementação se torne viável economicamente e não subaproveite o potencial de um computador que possui muitos outros recursos não utilizados para o funcionamento desta.Esta proposta, além do uso informacional, pode ter uso educacional, no qual, a partir de estruturas pré-montadas, alunos deficientes visuais poderão construir sua própria maquete e gravar os sons correspondentes a cada elemento. Tal atividade abre a possibilidade desses alunos apresentarem, via maquete, sua compreensão dos espaços físicos em que circulam e dos videntes passarem a entender melhor a percepção desses alunos. Isto seria mais um meio de comunicação destes com o mundo. (AU)