Busca avançada
Ano de início
Entree

Participacao de receptores serotonergicos dos tipos 5-ht 1 a e 5-ht2 da substancia cinzenta periaquedutal ventrolateral na modulacao dos comportamentos de esquiva inibitoria e fuga de ratos submetidos...

Processo: 03/04274-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de novembro de 2003
Vigência (Término): 30 de abril de 2007
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Neuropsicofarmacologia
Pesquisador responsável:Francisco Silveira Guimaraes
Beneficiário:Vanessa de Paula Soares
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Serotonina   Labirinto em cruz elevado   Núcleo dorsal da rafe   Ansiedade

Resumo

Trabalhos sugerem que a substância cinzenta periaquedutal dorsal (SCPD) é a principal responsável pelo comando de respostas de defesa do tipo luta e fuga em situações onde o perigo, proporcionado por estímulos incondicionados de medo, é extremo e proximal. Tais resposta têm sido associadas com o pânico. Por outro lado, a substância cinzenta periaquedutal ventrolateral (SCPVI) regula a inibição comportamental gerada por estímulos contextuais, comportamento que tem sido associado à ansiedade generalizada. O labirinto em T elevado (LTE) foi desenvolvido a fim de se testar a hipótese dual da 5-HT na ansiedade. Este modelo procura gerar em um mesmo rato respostas condicionadas (esquiva inibitória) e incondicionadas (fuga) de medo. Estes comportamentos têm sido associados, respectivamente à ansiedade generalizada e ao pânico. Estudos deste laboratório mostram que agonistas serotonérgicos injetados intra-SCPD prejudicam a resposta de fuga no LTE, tendo efeitos diferenciais na esquiva inibitória. Como a SCPD, a SCPVI recebe projeções serotonérgicas dos núcleos da rafe. O presente trabalho investigará a participação de receptores serotonérgicos da SCPVI na modulação das respostas defensivas geradas no LTE. Além disso, verificaremos se existe um envolvimento diferencial dos núcleos dorsal e mediano da rafe na geração de tais respostas. (AU)