Busca avançada
Ano de início
Entree


Expressão do fator de crescimento insulina símile I (IGF-I) na patogenia da pancitopenia na leishmaniose visceral em hamster

Texto completo
Autor(es):
Amanda Rodrigues de Almeida Torres
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Medicina Tropical de São Paulo
Data de defesa:
Membros da banca:
Hiro Goto; Luciana Regina Meireles Jaguaribe Ekman; Igor Thiago Borges de Queiroz e Silva
Orientador: Hiro Goto
Resumo

A leishmaniose visceral é uma infecção grave que leva a pancitopenia. Quando se trata de disfunções medulares decorrentes de infecção por Leishmania (Leishmania) infantum há poucas abordagens descrevendo as alterações na mielopoiese e os mecanismos que levam a pancitopenia na LV. Alguns estudos demonstram uma relação importante entre a pancitopenia e o fator de crescimento insulin-like growth fator-I (IGF-I), no entanto, o seu papel endógeno na hematopoiese ainda não está claro. Propomos estudar a influência desse fator na hematopoiese e sua relação com o desenvolvimento da pancitopenia em hamsteres infectados por via intra-peritoneal com 2x107 de amastigotas por L. (L.) infantum. Avaliamos em 90 e 120 dias pós-infecção a LDU (Leishman-Donovan units) no baço e fígado, quando observamos tendência à progressão da infecção. Aos 60 dias pós-infecção, os animais com LV desenvolveram a plaquetopenia como primeira alteração hematológica, e a partir dos 90 dias pós-infecção, a anemia, e a leucopenia com reduções significantes nos leucócitos totais, linfócitos e neutrófilos. Já aos 120 dias de infecção, os leucócitos totais diminuíram significantemente acompanhados por uma redução de linfócitos, monócitos e eosinófilos. A partir desses dados, focamos a análise da medula óssea nos hamsteres com 90 e 120 pós-infecção. No mielograma, vimos alterações somente nos hamsteres com LV aos 90 dias pós-infecção, com um aumento significante na proporção células mielóides imaturas: células mielóides maduras. Na biópsia da tíbia, houve um aumento significante da celularidade quando comparados com seu respectivo controle, apenas no período de 90 dias pós-infecção. Em adição, observamos uma proliferação e/ou infiltrado macrofágico significante nos hamsteres com LV, mas sem diferença estatística nos períodos de 90 e 120 dias pós-infecção. Na avaliação semi-quantitativa de fibras de reticulina, somente aos 90 dias pós-infecção, observamos aumento significante nos infectados comparados aos controles, caracterizando um quadro fibrótico. Foi medida a expressão de mRNA de IGF-I por PCR em tempo real, aos 90 e 120 dias pós-infecção, onde ocorreu um aumento significante da expressão de IGF-I nos animais infectados em relação aos controles aos 90 dias. Como expostos, os hamsteres com LV apresentam alterações hematológicas como anemia, leucopenia e plaquetopenia, e ainda alterações na medula óssea como aumento da celularidade, proliferação macrofágica e fibrose acompanhados por um aumento da expressão de IGF-I. Assim podemos concluir que nossos dados indicam que o hamster se constitui num bom modelo para o estudo da patogênese da pancitopenia e das alterações medulares decorrentes da infecção por L.(L.) infantum. Neste modelo, ocorre alteração da expressão de IGF-I durante a evolução da infecção com possível papel na patogenia da pancitopenia. (AU)

Processo FAPESP: 11/04271-3 - Participação do fator de crescimento insulina-símile I na patogenia da pancitopenia na leishmaniose visceral em hamster
Beneficiário:Amanda Rodrigues de Almeida Torres
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado