Busca avançada
Ano de início
Entree


Evolução de Staurozoa (Cnidaria): inferências moleculares, morfológicas e de cnidoma

Texto completo
Autor(es):
Lucília Souza Miranda
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Biociências
Data de defesa:
Membros da banca:
Antonio Carlos Marques; Federico David Brown Almeida; Marcelo Visentini Kitahara; Tito Monteiro da Cruz Lotufo; Alvaro Esteves Migotto
Orientador: Antonio Carlos Marques
Resumo

Staurozoa é uma das cinco classes atuais do filo Cnidaria. Nesta tese, propomos um estudo integrado da evolução de Staurozoa englobando dados moleculares, morfológicos e de cnidoma. Visando abordar estes diferentes aspectos, este projeto teve como objetivos inferir (1) o relacionamento evolutivo entre as espécies de Staurozoa; (2) a evolução do plano corporal de Staurozoa; e (3) o significado taxonômico/evolutivo do cnidoma para classe. O capítulo \"Global diversity and phylogenetic systematics of stalked jellyfishes (Cnidaria: Staurozoa)\" propõe uma hipótese filogenética para representantes da classe Staurozoa. Esta hipótese balizou uma extensa revisão da classificação do grupo. O estudo apresenta ainda uma revisão histórica da classe, incluindo dados de taxonomia, diversidade, distribuição geográfica e batimétrica, uso do substrato, alimentação, comportamento, ciclo de vida e conservação. No capítulo \"Evolution of the body plan in Staurozoa (Cnidaria): a comparative histological study\", a anatomia interna de 10 espécies foi analisada evolutivamente com base na nossa proposta filogenética molecular para a classe. Caracteres pouco estudados para o grupo foram detalhados de forma comparativa e suas possíveis funções discutidas. A evolução dos nematocistos em Staurozoa é analisada no capítulo \"Phylogenetic signal of nematocysts in Staurozoa (Cnidaria)\". Dados de 17 espécies foram analisados com base em nossa hipótese filogenética. Por meio de dados de morfometria tradicional e geométrica, concluímos que há um sinal filogenético significativo nos nematocistos dos tentáculos secundários, o que não ocorre no tipo de nematocisto encontrado nas baterias subumbrelares. A possível relação entre o sinal filogenético e o desenvolvimento dos nematocistos em Staurozoa é discutida, assim como possíveis pressões evolutivas envolvidas na presença e ausência de sinal filogenético (AU)

Processo FAPESP: 10/07362-7 - Evolução em Staurozoa: subsídios moleculares, morfológicos, de cnidoma e desenvolvimento
Beneficiário:Lucília Souza Miranda
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado